Pesquisar este blog

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

História da Alimentação : alguns aspectos do comenaslismo







Por Antônio Henrique Serrer







Jared Diamond, em seu livro Armas, germes e a aço[1], investiga as causas que explicariam as diferenças de desenvolvimento sócio-econômico dos grupos humanos, ao longo da história. Diamond não pretende com seu trabalho "celebrar um tipo de sociedade em detrimento de outra", isto é, não parte do princípio de que uma sociedade industrializada e letrada seja mes­mo superior a outra que não o seja. Todavia é evidente que, em termos históricos, as socie­da­des tec­nologicamente menos desenvolvidas foram sistematicamente dominadas pelas mais avançadas.

Diamond quer apenas "tentar entender o que aconteceu". Ele é insatisfeito, sobretudo, com uma explicação racista para o fenômeno e considera que combatê-la é o principal motivo para escrever seu livro. Enfim, o estudioso resume da seguinte forma o teor do seu trabalho.

A história seguiu diferentes rumos para os diferentes povos devido às diferenças entre os ambientes em que viviam e não devido a diferenças biológicas entre povos. [2]

Diamond recua até a pré-história para construir sua argumentação. Vemos que na base do desenvolvimento das armas, dos germes, do aço e de uma cultura letrada está a produção de alimentos. Certas vantagens ambientais, geográficas e ecológicas da Eurásia permitiram o esta­belecimento precoce de sociedades agrícolas e pastoris. Isso foi fundamental para o desen­vol­vimento social e tecnológico e mesmo para o evolução de um sistema imunológico mais resistente a infecções nas populações euro-asiáticas.

A expansão da produção de alimentos é […] fundamental para compreendermos as diferenças geográficas no surgimento das armas, dos germes e do aço […][3]
[…] a produção de alimentos e os milhares de anos de evolução social que se seguiram à sua adoção foram tão essenciais para a revolução da escrita como para a evolução dos micróbios causadores das epidemias humanas.[4]

Recorremos ao significativo trabalho de Diamond para ilustrar a importância seminal que a produção de alimentos teve — e tem — para a história da civilização. Essencial para a conservação da vida, a alimentação parece-nos fortemente imbricada com os diversos aspectos da abordagem historiográfica, não sendo fácil separar as tendências sociais das econômicas, ou ambas das resultantes culturais e políticas. Para fins deste trabalho nos concentraremos em alguns aspectos da função social da comensalidade.
• • • • • • • • • • • •
A comensalidade, ato de compartilhar o alimento à mesa em um clima de camaradagem — o que dá às refeições uma importante função social —, junto com a cozinha, que adequa o alimento para o consumo, distinguem o comportamento alimentar do homem do dos ani­mais.[5]
"Comer e beber" juntos "serve para fortalecer a amizade entre iguais". Um exemplo interes­san­te do caráter integrador da refeição em grupo nos é dado pelo jornalista inglês Anthony Sampson, no seu livro O homem da companhia:

Nunca foi fácil definir ou compreender a idéia de companhia, de um grupo de indivíduos compartilhando responsabilidade comercial […] nas cidades-estados italianas as firmas marítimas começaram a se autodenominar compagnie, cujos membros "comiam pão" uns com os outros (cum panis).[6]

A camaradagem entre os negociantes se dava à mesa e não na boca do cofre. Pode-se objetar que o termo compagnie talvez designasse mais precisamente um grupo de homens que associavam-se para ganhar o pão. De qualquer forma é uma metáfora alimentar que define a sua união, e não uma imagem monetária.

A mesa de refeição reúne os iguais. Também apresenta-nos as distinções de classe.

Quanto à mesa, logo ao primeiro relance se vê que as duas margens são absolutamente distintas: luxo e miséria, superabundância e penúria. Dito isto, corramos para o luxo. É o mais vistoso, o mais bem inventariado […].[7]

O banquete, festivo ou sagrado, parece ser a representação máxima da comensalidade, em termos tanto do seu caráter integrador, quanto separador. A obra em que Platão reflete sobre o amor chama-se, justamente, O banquete. A descrição de um banquete orgíaco, na Roma antiga, é o núcleo principal do clássico Satyricon, de Petrônio.

Já chegávamos na sala do festim […] nos deitamos nos triclínios, quando escravos egípcios nos despejaram nas mãos água de neve derretida, outros nos pés […] E lá vieram os pratos introdutórios daquele banquete magnífico. […]. Na baixela destinada às entradas, havia […] uma bandeja contendo azeito­nas […] havia dois pratos de prata em cujas margens lia-se o nome de Trimalcião e o preço do metal da peça. […] Salsichas frigiam sobre uma pe­quena grelha de prata, e sob ela, cerejas do Oriente com grãos de granada.
Nessas delícias estávamos, quando o próprio Trimal­cião […] chegou transportado numa liteira e foi depositado num leito guarnecido de pe­quenas almofadas[…] Sua cabeça estava coberta por um manto púrpura[…]. E, para não deixar dúvidas sobre o imenso das suas riquezas, des­nudou o braço direito, onde brilhava uma pulseira de ouro, com aplicações de um resplandecente marfim.
[…] Trimalcião […] demonstrava seu poder, anunciando, em voz alta, que podíamos tomar quanto vinho quiséssemos. [8]
O lauto banquete oferecido por Trimalcião — em que os convidados são pessoas muito mais pobres do que ele —, ao mesmo tempo que permite exibir a riqueza e ascensão social do anfi­trião, reforça seus laços com a vasta rede clientelar que se abriga sob seu patrimônio. O ban­que­te sublinha as diferenças, mas serve também para diminuir atritos sociais, ao cons­ti­tuir-se como um espaço de convívio entre classes. Por meio da prodigalidade da festa que oferece, o abastado aplaca os rancores daqueles menos favorecidos, conquistando sua simpatia.

Se por um lado o banquete, o festim, funciona como ferramenta de controle social — a antiga máxima latina panis et circenses continua válida — por outro é capaz de acirrar a tensão ao ponto de ruptura, na medida em que pode revelar, de maneira direta e inequívoca, o descaso e o desprezo que elites sociais podem votar às classes que subordinam.

A 4 de outubro de 1789, um boato se espalha em Paris: por ocasião do banquete dos guardas pessoais do rei, a nação teria sido insultada, o distintivo tricolor calcado aos pés... um motim por falta de alimentos estoura a 5 de outubro e é habilmente canalizado.[9]

Segundo uma anedota, a Revolução Francesa teria explodido após a rainha Maria Antonieta, insensível aos apelos populares por alimento, ter declarado: Não têm pão? Que comam brioches! Se a rainha realmente o disse, não nos importa muito agora. Fato é que resta, na raiz do imaginário sobre a Revolução, uma imagem alimentar.
• • • • • • • • • • • •
A refeição é tão importante que congrega não só as pessoas, mas também homens e deuses.

Já dissemos consistir a cerimônia principal do culto doméstico num banquete, a que se chamava sacrifício. Comer a refeição preparada sobre o altar, tal foi, segundo todas as aparências, a primeira forma que o ho­mem deu ao ato religioso. […]
A principal cerimônia do culto da cidade é igualmente um banquete de natureza análoga; devia realizar-se em comum em honra das divindades pro­tetoras, estando, presentes os cidadãos.[10]

A oferta de alimentos aos deuses é parte fundamental dos ritos religiosos de todo o mundo, através dos tempos. Contudo, discutir os caracteres religiosos da alimentação seria talvez adentrar em aspectos culturais, o que nos desviaria do foco proposto. No entanto, como boa parte da história da civilização ocidental confunde-se com a história da religião cristã, e como o evento fundador dessa religião foi um jantar — a Santa Ceia — simbolicamente repetido a cada missa, não poderíamos deixar de tratar do rito da eucaristia.[11]

No seu livro O Jesus histórico, John Dominic Crossan[12] procura compreender, por meio do rigoroso cotejo de uma série bastante ampla e variada de fontes documentais, não só quem teria sido o homem Jesus, mas também o contexto sócio-econômico e cultural em que viveu.

Para Crossan, Jesus era um camponês judeu helenizado, corajoso e inteligente, um revolu­cio­nário radical, que teve na prática de uma comensalidade aberta a todos, um dos prin­­­cipais veículos para divulgar sua mensagem de igualitarismo econômico, político e religioso.

[…] não estamos diante do ofe­recimento de esmolas, mas sim de uma mesa que é compartilhada, da prática da comensalidade. Os missionários não carregam um alforje porque não pedem esmolas, comida, roupa, nem qualquer outra coisa. Eles compar­tilham um milagre e um Reino, e recebem em troca uma mesa e uma casa. Na minha opinião, esta é a essência do movimento original de Jesus: um igualitarismo em que se compartilha de bens espirituais e materiais. Faço questão de frisar ao máximo este ponto, além de insistir que o lado material e o espiritual deste movimento […] são inseparáveis. […]
É preciso entender o ato de compartilhar da mesma casa e da mesma re­feição sobre o contexto antropológico intercultural da comida e da comensa­lidade. Como observa Gillian Feeley-Harnik, "é justamente por causa da complexa inter-relação entre as categorias culturais, que a comida costuma ser uma das principais maneiras de marcar as diferenças existentes entre os diversos grupos sociais". Lee Edward Klosinski, depois de "examinar a literatura antropológica e sociológica pertinente (...) a respeito da comida e do ato de comer", chega à conclusão de que "compartilhar a comida é uma transação que envolve uma série de obrigações mútuas e dá origem a um complexo interconectado de mutualidade e reciprocidade. Além disso, a habilidade da comida de simbolizar essas relações, bem como de definir as fronteiras entre os grupos, surge como uma de suas propriedades únicas. (...) A troca de comida é um fator básico da interação humana. Nela está im­plícita uma série de obrigações de dar, receber e retribuir. Essas transações envolvem os indivíduos numa rede social de reciprocidade, mutualidade e obrigação. Além disso, as trocas de comida podem funcionar como símbolos da interação humana. O ato de comer é um comportamento que reflete sen­timentos e relações, serve como mediação para o status social e o poder, e exprime os limites de identidade do grupo". Quero mais uma vez frisar o seguinte: comensalidade não é um sinônimo de esmola; esmola não é um sinônimo de comensalidade. Uma esmola generosa pode, inclusive, ser o último grande refúgio da consciência diante do horror da comensalidade aberta.[13]

Pedimos perdão pela longa citação, mas ela resume de maneira exemplar uma série importante de reflexões sobre a centralidade das refeições nas relações humanas. Enquanto Trimalcião, ao abrir seus salões, oferecia esmolas e reforçava as diferenças sociais, Jesus pretendia uma comensalidade inclusiva, justamente para eliminar os desníveis, no compar­ti­lha­mento franco do agasalho e do alimento. Como homem-deus, seu sacrifício foi tornar-se a si mesmo ali­men­to para os homens, selando assim uma nova aliança com a divindade.
• • • • • • • • • • • •
Na nossa já pós-modernidade, a despeito de todas as mudanças históricas desencadeadas pelo desenvolvimento capitalista, o ato da refeição continua sendo importante signo de distinção social. Não se trata apenas de comer alimentos caros, em locais requintados. Não basta comer. É preciso saber degustar, o que significa dizer que não basta ter acesso a determinados tipos, ou marcas, de alimentos, mas que também se possui treino, educação, cosmopolitismo, para apreciá-los. Criou-se toda uma indústria cultural voltada para o refinamento gastronômico, que não se preocupa apenas em ensinar como preparar alimentos, mas também toda a etiqueta necessária para tornar devidamente aburguesada a refeição. Ter cacoetes de sommelier, por exemplo, tornou-se um meio de sinalizar o status social do consumidor de vinho, que ao bebê-lo pare­ce não querer apenas sorver uma bebida, mas incorporar toda a história e tradição aristocráticas associadas à ela.[14]

Ainda nessa vertente dos novos costumes, temos a proliferação das dietas. Possuir uma deter­minada si­lhu­eta torna-se, cada vez mais, quesito fundamental para a inserção social. Cele­bri­dades midiáticas, entidades que melhor encarnam a imbricação da beleza corporal — seja lá o que isso for — com o sucesso social em nosso tempo, endossam e disseminam esses novos há­bitos. A defesa desse binômio beleza/sucesso é tão insistente e insidiosa que distúrbios ali­men­­tares, tais como a anorexia, são cada vez mais associados a uma suposta "ditadura da beleza".

Claro que a profusão de dietas liga-se menos a tendências estéticas do que ao fato de que a sobre-alimentação e a obesidade constituem um dos mais sérios problemas de saúde pública da atualidade. Discorrer sobre o papel da indústria alimentar nessa crise sanitária seria entrar no campo econômico, mas o fato é que a cultura do fast food desorganiza os esquemas tra­di­cio­nais de sociabilidade ao prescindir da comensalidade.

A comida como forma de entendimento e comemoração […] parece estranha à massa consumidora de fast food. […] A ânsia por afeto, o desejo de viver comunitariamente e de realizar lautas refeições que fi­quem na memória não podem ser satis­feitos por urna batata frita de lanchonete. […] A nossa [cultura] parece ter ficado tão envol­vida com bandejas devoradas em frente à TV e privacidade que esquecemos de como comer reunidos — sinal indubitável do colapso da comunicação... talvez da própria cultura.[15]
Essa aceleração e individualização do ato da refeição parecem ser tão danosos, tanto à saúde quanto às relações humanas, que já se cunhou o termo slow food para designar o que seria uma boa refeição: feita lentamente, na companhia de familiares ou amigos, sem preocupações com horários. De preferência — para quem tem tempo e dinheiro sobrando —, com um cardápio me­diterrânico ou nipônico, que são o must da co­mi­da chique.

Esse último comentário ficou um pou­co ácido ao pálato, mas não podemos esquecer que toda essa comida nos coloca o problema da fome, que parece estar longe de ser resolvido, apesar dos enormes excedentes produzidos pela moderna agroindústria. Entretanto, tratar disso nos conduziria a uma reflexão, sobretudo, moral, que queremos evitar. Porém, como esbarramos com um problema filosófico, e estamos falando de dietas, não poderíamos deixar de citar a on­da vegetariana estimulada pelo movimento de libertação animal, antes de encerrarmos o texto.
• • • • • • • • • • • •
O filósofo Peter Singer, com seu livro Libertação animal,[16] trouxe embasamento teórico à discussão sobre os direitos dos animais, popularizando o termo especismo, neologismo que designa o "preconceito" da espécie humana em relação às outras espécies e o conjunto de justificavas ideológicas para a exploração, muitas vezes cruel, de animais por humanos. De uma certa forma o especismo assemelha-se às teses racistas que Jared Diamond quer combater em seu livro, acima citado.

Libertação animal é, sobretudo, uma discussão moral sobre o nosso direito de utilizarmos animais como alimento, ou cobaias em experimentos, tornando-se mesmo uma crítica à lógica capitalista. Da argumentação, lastreada numa análise histórica das justifi­ca­tivas para o con­su­mo de carne animal e das objeções que foram feitas a esse uso[17], emerge não só uma sólida defesa do vegetarianismo como estilo de vida, mas toda uma nova corrente de ativismo político e engajamento social.

O consumo de carne, contudo, é hábito fundamente arraigado e de difícil dissuasão. Como vemos em Flandrin, a carne fresca é, desde épocas remotas, indispensável nos banquetes.

Alguns alimentos, condimentos e bebidas parecem ter sido indispensáveis nos banquetes mesopotâmicos, e encontraremos a maioria deles nas festas de outros povos, em outras épocas. Em primeiro lugar, a carne fresca […] Qualquer que seja ela, a carne fresca parece indispensável ao banquete e essa associação estará presente em todas as épocas e regiões.[18]

Tornar-se vegetariano pode significar não apenas abdicar de um tipo de alimento, mas da própria participação na célula social a que se pertence. Tal idiossincrasia alimentar torna o vege­ta­riano alvo de chacota, ou mesmo rancor, por parte dos carnívoros, que no geral o consideram tão enfadonho quanto um abstêmio, pois não partilha do melhor do banquete. Além disso, ao co­lo­car, ainda que inadvertidamente, uma questão ética — temos o direito de matar para comer? —, o vegetariano, por si só, acaba por constituir-se em um incômodo elemento de censura, ou crí­tica, para aqueles que se banqueteiam em churrascos. Para preservar seu regime — e seu bom humor — resta ao vegetariano integrar-se a um novo grupo de comensais que compre­endam sua opção. Ou comer sozinho, já que divulgar e defender sua dieta, no fundo, pode ser uma tolice.[19]
Notas

[1] Jared Diamond. Armas, germes e aço: o destino das sociedades humanas. Rio de Janeiro: Editora Record, 2001.

[2] Jared Diamond, op. cit., p. 25.

[3] Jared Diamond, op. cit., p. 178.

[4] Jared Diamond, op. cit., p. 236.

[5] Jean-Louis Flandrin, Massimo Montanari. História da alimentação. São Paulo: Estação Liberdade, 2000, p. 32.

[6] Anthony Sampson. O homem da companhia: uma história dos executivos. São Paulo: Companhia das Letras, 1996, p. 29.

[7] Fernand Braudel. Civilização material e capitalismo. Lisboa/Rio de Janeiro: Edições Cosmos, 1970, p. 148.

[8] Petrônio. Satyricon. Trad.: Paulo Leminsky. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985, pp. 47-49

[9] Frédéric Bluche, Stéphane Rials, Jean Tulard. A revolução francesa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1989, pp. 38-39

[10] Fustel de Coulanges. A cidade antiga. São Paulo: Hemus, 1975, p. 124.

[11] Nos referimos apenas as representações construídas pela tradição católica-apostólica-romana.

[12] John Dominic Crossan. O Jesus histórico. Rio de Janeiro: Imago, 1994.

[13] John Dominic Crossan, op. cit., pp. 378-379. Crossan elabora sua análise a partir da parábola do banquete, presente em Evangelho de Tomé 63, 1, Lucas 14, 15-24 e Mateus 22, 1-13, conforme remissão à página 477 da edição citada.

[14] As observações sobre o consumo de vinho resultam de experiências pessoais.

[15] Jeff Smith. Frugal gourmet. Rio de Janeiro: Ediouro, 1995, p. 10. Smith, morto em 2004, foi apresentador de um popular programa da TV estadunidense, dedicado à gastronomia internacional, chamado The frugal gourmet. O programa foi exibido na TV a cabo brasileira, durante parte da década de 1990. É importante assinalar que a opinião expressa na citação possui um cunho religioso, já que Smith pertencia à igreja metodista estadunidense. Ainda assim ela expressa um senso comum, cada vez mais disseminado, a respeito dos efeitos deletérios do fast food para o complexo cultural ligado à alimentação.

[16] Peter Singer. Libertação animal. Porto Alegre: Lugano, 2004

[17] A contenda, no ocidente, parece ter sido iniciada por Pitá­go­ras, que era vegetariano e incentivava nos seus discípulos o tratamento respeitador dos animais, supostamente por acreditar que as almas dos homens mortos migravam para aqueles. Ver Peter Singer, op. cit., capítulo 5: O domínio do Homem: uma breve história do especismo.

[18] Jean-Louis Flandrin, Massimo Montanari, op. cit., p. 33

[19] As observações sobre o convívio de vegetarianos com carnívoros resultam de experiências pessoais..

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Casamento de integralistas

Por Jessé A. Chahad
O documento em destaque é parte integrante do Prontuário nº40583, que contém cerca de 40 fotografias, que retratam os integralistas organizados no Estado de São Paulo। A fotografia registra um casamento de integralistas, do Núcleo Integralista de Casa Branca, realizado em 30 de Julho de 1935, de acordo com anotação manuscrita encontrada no verso da foto. No centro da imagem, podemos identificar o casal de noivos, a noiva com uma tiara branca, que a distingue das demais. À sua direita, o chefe municipal Professor Henrique Gaspar Midom, e na terceira fila, da esquerda para a direita está o integralista Ademar Nogueira de Figueiredo, identificado pelas autoridades na legenda da foto. Todos os participantes encontram-se vestidos com o uniforme integralista, confeccionado em tecido verde, o que lhes conferia o título de “camisas verdes”, analogicamente de acordo com os “camisas pardas” nazistas e “ camisas negras” do fascismo italiano. Podemos perceber que todos trazem no braço esquerdo o simbolo do Sigma, letra grega que simbolizava a idéia de que o movimento pretendia ser uma “somatória”. Essa imagem expressa o valor que a doutrina integralista atribuía aos símbolos e rituais como forma de de estratégia de doutrinação e socialização ideológica. Através dessa fotografia podemos visualizar que entre os militantes, muitos dos quais anônimos da nossa história, havia uma forte participação de mulheres e de jovens (os plinianos) característico dos movimentos fascistas. A imagem foi obtida em frente à porta principal de uma igreja católica, forte aliada do movimento, que desde 1932 evidenciara seu apoio à “formação de um novo homem, comprometido com Deus, a Pátria e a Família”. Tanto o casamento ou outras cerimônias religiosas, como batizados ou enterros estavam previstos no Monitor Integralista, uma espécie de “jornal oficial” onde eram publicados os regulamentos, estatutos, protocolos, etc...
http://www.usp.br/proin/inventario/destaques.php?idDestaque=4

sábado, 5 de julho de 2008

História e novos objetos. Análises e reflexões sobre os Simpsons

Por Jessé A. Chahad


Assim como qualquer expressão cultural ou artística, os desenhos animados trazem em sua composição inevitavelmente uma expressão de seu contexto histórico। Os temas tratados, o estilo do traço, a composição sonora, sem contar na idéia original da criação de certo personagem estão sempre “presos” a sua historicidade, e através do humor produzem discursos e revelam situações que podem aqui ser interpretadas como representações de uma visão determinada da História।
A escolha do desenho Os Simpsons, além da óbvia simpatia que este autor desenvolveu em mais de uma década de assídua audiência devotada a este programa, se deu pela riqueza e inteligência presente neste desenho, e que eventualmente não estão presentes nos demais desenhos contemporâneos. Apenas um episódio de uma temporada qualquer já seria suficiente para uma longa análise, e aqui iremos recortar alguns, com a intenção de demonstrar através da argumentação crítica algumas características da sociedade que produz e consome o desenho.
A escolha da nona temporada da série, exibida nos anos de 1997 e 1998, foi motivada pelo fato de que após quase dez anos de exibição, o programa já havia definitivamente se amadurecido e conquistado espaço cativo na mídia. As transformações sofridas pelos personagens a cada temporada já seria um assunto de imensas proporções, a se estudar mais profundamente, quem sabe em algum trabalho futuro.


Breve apresentação
Os Simpsons, de Matt Groening, é o desenho animado de maior longevidade na história da TV nos Estados Unidos. Tem, ao todo, dezessete temporadas e mais de 340 episódios desde sua estréia em 17 de Dezembro de 1989.
Surgiu inicialmente em 1987 como uma série de curtas de trinta segundos produzidos por Groening para a série de televisão “The Tracey Ullman Show.” A reação dos telespectadores foi tão positiva que "Os Simpsons" evoluiu para um programa, estreando como um especial de Natal de meia hora em 17 de dezembro de 1989, e depois como série regular em 14 de Janeiro de 1990. A série foi elogiada pela crítica e ganhou inúmeros prêmios, inclusive um prêmio Peabody, dezessete prêmios Emmy, doze prêmios Annie, três prêmios Genesis, sete prêmios International Monitor e quatro prêmios Environmental Media. Em 14 de janeiro de 2000, a série ganhou uma Estrela na Calçada da Fama em Hollywood. É visto em mais de cem países.
Altamente satírico, o seriado critica a sociedade estadunidense como um todo. Tem como alvos principais a classe média e a mediocridade americana. O canal de TV a cabo FOX, principal veiculador do desenho, também é motivo das piadas da série. O nome da cidade em que se passa o desenho, Springfield, foi escolhido por ser um nome comum de cidades americanas - todo estado tem a sua - o que garante uma crítica ainda mais abrangente ao modo de vida americano.
As autoridades são constante alvo da sátira ferina do desenho. Isto provavelmente explica a reação negativa do programa junto a movimentos conservadores. Esta reação foi mais forte nas primeiras temporadas de Simpsons, onde praticamente todas as figuras autoritárias que aparecem no programa são ridicularizadas.

A família

Homer Jay Simpson - o pai da família. Trabalha como inspetor de segurança em uma usina nuclear. Adora beber cerveja e comer rosquinhas açucaradas. É um alienado, patético, sem muita finalidade na vida e um completo ignorante. Mundialmente consagrado por seu bordão "D'oh!", utilizado quando faz alguma coisa errada sem querer.
"Marge" Simpson Bouvier - a mãe da família, uma típica dona-de-casa americana conservadora. Frequentemente serve como voz da razão nos episódios.
Bart Simpson - o filho mais velho, com 10 anos, um arruaceiro que adora andar de skate e atirar com estilingue. Costumeiramente se dá mal na escola e figura sempre como filho-problema.
Lisa Simpson - a filha do meio, é intelectual e vegetariana, toca saxofone e adora jazz. É adepta do budismo em oposição ao resto da família, que segue o cristianismo. Diferencia-se dos outros Simpsons, principalmente de Bart e Homer, por ser politicamente correta, inteligente, intelectual e com forte senso de justiça.
Maggie Simpson - a filha mais nova, de apenas um ano. Geralmente é ignorada pelo pai, mas não sai do colo da mãe.
Abraham Simpson - o avô, pai de Homer. Ex-veterano da Primeira e Segunda Guerra Mundial vive hoje no asilo e normalmente é desprezado e maltratado pelo filho.

Episódio “O ônibus” (15/02/1998)
Neste episódio, a trama central se dá em torno do acidente com o ônibus escolar, que após cair de uma ribanceira, fica a deriva no mar e leva as crianças a ficarem sozinhas em uma ilha deserta. As crianças estavam indo a um encontro escolar das nações, onde cada um deveria representar uma nação, e assim como nas reuniões da ONU.Previamente na sala de aula, o diretor da escola tenta ensaiar com seus alunos, como seria o evento; alguns momentos depois, uma provocação do aluno que representava o Japão a um colega que representava o México, uma discussão generalizada se inicia e transforma o ensaio em uma tremenda confusão, que se encerra com a advertência do diretor: “ Atenção! Vocês querem ser que nem a ONU, ou querem só fazer bagunça e perder tempo?”.
O papel ridículo atribuído à Organização das Nações Unidas de maneira irônica pelo diretor Skinner, se dá em um momento em que essa instituição desempenha um papel quase simbólico, visto seu enfraquecimento após a queda do muro de Berlim. A Primeira Guerra do Golfo já havia sido ratificada apesar da posição contraria da ONU. Anos mais tarde, a Organização seria totalmente ignorada em relação a sua posição contraria a Segunda Guerra do Golfo. As tomadas de decisões unilaterais por parte do governo americano em sua política econômica dos últimos três mandatos vêm demonstrando que sua força bélica vale mais do que qualquer congresso mundial.
Após o acidente, as crianças se encontram em uma ilha, aparentemente não habitada, e apesar do medo inicial, logo surge a figura de Bart, mostrando como seria boa a vida selvagem e livre, principalmente sem a presença de adultos. Surge então uma cena imaginada por Bart, de uma vida em comunidade, funcionando perfeitamente com abundancia de mantimentos sem o esforço do trabalho e as obrigações rotineiras. De acordo com suas palavras: “- Seremos como a família Robinson suíça, com direito a falar palavrão!”. Bart faz aí uma alusão a outro seriado da TV americana, Os Robinsons, que apesar de terem naufragado em uma ilha deserta, através de seu esforço e trabalho duro conseguiram reconstruir sua vida, dentro do american way of life.
O sonho da vida livre é substituído pelo fracasso da empreitada das crianças, pois a falta de alimentos os leva a entender quais seriam os princípios básicos para sua sobrevivência. Após a divisão dos últimos mantimentos encontrados por Bart no ônibus afundado, as crianças reservam parte dos alimentos para o dia seguinte, e ao acordar percebem que a comida havia sumido.
Ao invés de se preocupar em resolver o iminente problema da falta de alimentos, as crianças resolvem se organizar para determinar de quem havia sido a culpa pelo sumiço das ultimas provisões. É organizado então um tribunal, com júri, réu advogado e juiz, que mesmo sem provas irá atentar contra a aparente culpa do personagem Milhouse. Para a sociedade do espetáculo, a americana no caso tratado, é mais importante a produção de um sujeito culpado do que a real possibilidade de solução de determinado problema. Assim opera também a mídia, ou o quarto poder, como é chamado atualmente este meio de comunicação.
Lisa, sempre sagaz, observa então que um javali lambe o musgo das pedras e assim retira os nutrientes necessários à sua sobrevivência. Logicamente para Lisa, estaria resolvido o problema da fome, pois todos poderiam se alimentar do musgo. A cena é cortada e logo aparece o javali espetado e sendo assado em uma fogueira. Esta elipse nos leva a entender que mesmo com a garantia de sobrevivência através do musgo, aquela comunidade optou por matar o animal e se prover de sua carne, opção carnívora feita pela humanidade ao longo de seu desenvolvimento.
A necessidade de se alimentar teria feito com que as crianças aprendessem a viver em sociedade, demonstrando que todas as nações podem ser iguais, se suas necessidades forem iguais- a fome é linguagem universal- independente da pátria ela pode existir, o que nos iguala como humanos.
Paralelamente ao caso do naufrágio, a trama se completa com uma outra história, protagonizada por Homer. Após descobrir que seu vizinho abrira um negócio na internet, Homer se vê na obrigação de se equiparar ao seu vizinho, e ter também seu próprio negócio virtual. Ele monta um escritório improvisado, com a ajuda de Marge cria um nome pomposo para sua empresa, sem nunca mencionar qual o ramo de negócio sua empresa se dedica.
Na década de 90, a popularização da internet ainda se dava mais por meio da mídia do que por suas reais necessidades e utilidades no cotidiano das pessoas. A desmaterialização do capital, fenômeno intensificado em sua ultima fase é representada com humor no desenho, pois mesmo sem produto a ser vendido, ou serviço a ser oferecido, a falsa empresa virtual criada por Homer desperta interesse do mega empresário Bill Gates, o criador do Windows e papa de uma nova geração de capitalistas que fizeram suas fortunas por meio de empresas virtuais e produtos tecnológicos ligados ao novo mundo do trabalho.
Bill Gates aparece no episódio representado por ele mesmo, e vem com uma proposta para fechar a empresa de Homer. Acreditando ter feito um bom negócio, Homer concorda logo com o fechamento da falsa empresa, e se surpreende ao ver Bill Gates ordenar a seus capangas que destruíssem seu escritório, mesmo sem saber ao certo que tipo de empresa seria aquela. O personagem ironiza de maneira lógica:
“- Você acha que eu fiquei rico assinando cheques?”
A piada ilustra um ramo empresarial que apesar de super novo e moderno se apóia em práticas já tradicionais da economia para garantir o sucesso dos seus empreendimentos. Formação de cartel, monopólio e espionagem industrial foram algumas das acusações que Gates sofreu nos últimos anos e muitos são os processos que responde ao mesmo tempo em que sua fortuna sempre aumenta.

Conclusão
Tanto no infortúnio das crianças quanto no de Homer está impressa a idéia de que só se pode conseguir sucesso através do trabalho honesto e dedicado. A ética do trabalho, tão enraizada na ética protestante que colonizou os Estados Unidos aparece no desenho que apesar de toda sua roupagem crítica e contestadora, não esconde o contexto histórico estrutural a que está submetido.
Por mais que tente conferir uma subversividade, o desenho também está repleto de lições moralizantes, pois a partir do escárnio e de certas situações tratadas é que extraem a moral, ou fundamentalmente a visão de História que ali está se explicitando.
O estudo de documentos que não se propõe a tratar de História é importante, pois diversas vezes são vistos como ingênuos, ou ainda não históricos. Tal equívoco não deve ser cometido pelo historiador atento que deve levar em consideração os novos estudos e os novos documentos, uma vez que só podemos entender a sociedade através da sua problematização.
A análise de filmes, desenhos, jogos ou revistas em quadrinhos é da maior importância, pois dentro de cada documento reside uma visão de História a ser percebida a partir da prática de reflexões acerca da sociedade e sua historicidade.As diferentes filosofias da História contidas nos mais diferentes documentos faz com que o trabalho de investigação historiográfica e analise documental sejam encarados como um exercício de desvendar os conceitos –chave para o entendimento das praticas históricas e sociais, dentro de sua totalidade possível.

sábado, 21 de junho de 2008

Contradição: a identidade nacional

Por Jessé A. Chahad


Novais e Cardoso de Mello vão afirmar que entre as décadas de 50 e 80, a sociedade brasileira presenciou um movimento pendular de prosperidade que logo depois foi suprimido pelo sentimento de pessimismo.
De maneira geral, é razoável acreditar que o Brasil apresentou grandes taxas de crescimento, e investiu em infra-estrutura de maneira suficiente para o desenvolvimento do sistema capitalista. Assim como até então, os modelos importados, as idéias fora do lugar, a modernização do país se dava tardiamente se comparamos com outros paises, o México, por exemplo.
A inclusão do Brasil no sistema capitalista viria a complementar o modelo americano, criador de modas e costumes que agora contava com a indústria voltada a produção de eletrodomésticos e a indústria da propaganda, ditadora dos novos costumes que deveriam ser difundidos pelo mundo, principalmente após a vitória na Segunda Guerra Mundial.
Se modernidade era malha viária, investimento em energia e participação na sociedade de consumo, então já estava terminado o processo civilizatorio proposto pelo american way of life, mas em um país que já vivia as contradições geradas pelo sistema colonial, e posteriormente pela importação de usos e costumes europeus ficava ainda mais complicado o desenvolvimento real do país.
Novais lembra que historicamente a modernização resultaria da tensão permanente entre o conjunto de valores mercantis, utilitários, (...) capitalistas que corporificados em instituições (...) põe freios ao funcionamento desregulado e socialmente destrutivo do capitalismo, e isso não se configura no Brasil. Sendo assim a seu próprio modo, a sociedade procurou se adaptar, e mesclar seu passado colonial, paternalista e religioso com o mundo freneticamente novo que era trazido de fora mais uma vez.
Citando Caio Prado Jr., não há nexos éticos entre os homens, mas só relações de exploração econômica e de dominação política. A sociedade baseada na idéia do favor e do jeitinho se apropriava do que julgava necessário ao seu desenvolvimento, de um lado a classe dominante se favorecia de diversas inovações tecnológicas, e do outro, a população rural e os descendentes de negros ficavam excluídos do processo, e buscavam se inserir na modernidade abandonando as práticas campesinas e migrando para as cidades.
Com o avanço e consolidação do capitalismo no Brasil, estaria consolidada a cena da luta de classes, com todas as desvantagens necessárias para enfraquecer qualquer movimento, as ditaduras militares viriam a congelar as estruturas de modo que quanto mais o país se desenvolveu e enriqueceu, maior se tornou a população pobre, e a concentração de renda é a maior do mundo, pelo menos até o fim do período recortado.
Nos dias de hoje, o Brasil ainda figura entre os mais ricos, principalmente se considerarmos o seu potencial para o capital financeiro especulativo, a nova face do capitalismo que acirra ainda mais as diferenças e determina de uma vez que a mobilidade social proposta pelo sistema só acontece dentro das classes favorecidas.
Se há uma peculiaridade exclusiva do povo brasileiro, talvez resida na capacidade de se abster e não perceber tais contradições. Um exemplo simples se dá em qualquer fila de banco, onde os pobres se aglomeram, geralmente para pagar alguma conta, que religiosamente deve ser honrada. De pé, e sem direito a um mero copo de água, é raro algum cidadão se lembrar de que o banco que ele está lucra a cada semestre quantias na casa dos bilhões.
A valorização da ética protestante do trabalho ainda faz com que a sociedade busque se inserir no sistema, como empregado, sendo elo principal da corrente que nunca será quebrada, pois o emprego lhe garantiria o mínimo de sustento e de inclusão no mercado de consumo, esse sim o verdadeiro objetivo do brasileiro de hoje. Desde continue exercendo seu papel na divisão do trabalho internacional, e de periferia na economia mundial, tudo continua funcionando perfeitamente para quem está no comando.
Talvez ainda não tenha sido superado o sentido da colonização, de abastecer o mercado externo com matérias primas e ficarmos com o resto de tudo, seja no âmbito social ou cultural. A confusão entre público e privado é herança colonial, e a sociedade brasileira como sociedade de aparências foi tratada por Sérgio Buarque de Holanda em Raízes do Brasil.
A modernização no Brasil não contou com planejamento de acordo com as demandas da nossa sociedade e nem deveria ser, pois serviria e serviu ao capital estrangeiro como sempre foi. Inúmeros são os fenômenos produzidos culturalmente para tentar amenizar as contradições, que sempre deverão existir, pois são parte crucial do funcionamento do capitalismo. Em um jogo de futebol, o esporte símbolo do país, pobres e ricos chegam a ficar lado a lado na torcida, participando do mesmo mundo, em busca de um mesmo ideal, e com condições semelhantes. Porém ao sair do estádio, cada um volta ao seu nicho, e o pobre vai passar a noite tentando voltar de ônibus para casa enquanto seu amigo de agora pouco passa diante de seus olhos de carro importado.
Portanto, se para Maria da Conceição Tavares nós copiamos tudo menos o que é essencial: formas de organização capitalista capazes de assegurar um mínimo de capacidade autônoma de financiamento e inovação, esse processo não se deu por acaso, pois o que copiamos foi exatamente o necessário para que entrássemos na nova ordem mundial sem a que ocorresse qualquer mudança da estrutura social já presente, e que garantiria permanência das mesmas classes dominantes no poder.

O luxo e o lixo: desejo, necessidade e vontade

Por Jessé A. Chahad

Em sua tentativa inovadora para a época, de estudar a civilização material, Fernand Braudel se propõe a estudar a produção e o consumo de alimentos que até então eram desprezados, por não serem considerados importantes na historia da humanidade, no que diz respeito a sua essencialidade para a sobrevivência do homem.
Para Braudel, os produtos considerados supérfluos devem ser abordados, pois o conceito de luxo será para ele fundamental no desenvolvimento do capitalismo e da sociedade consequentemente. Mesmo a idéia do luxo estando presente em civilizações imemoriais, Braudel acredita que após a Idade Média o comercio de produtos de luxo se intensifica, sendo apropriado exclusivamente pela camada aristocrática, criando assim mais um fator de diferenciação social.
De certa forma, este pensamento está em concordância com a tese de Henri Pirenne, que defende que mesmo durante o período medieval mais nefasto, ainda existia o comércio de artigos de luxo. Esses artigos seriam ainda mais valorizados com a descoberta de novos mercados fornecedores de especiarias e matérias primas na era moderna. A comédia do luxo praticada pelas classes dominantes seria depois reproduzida pelas massas, visto que os ricos são condenados (...) a preparar a vida futura dos pobres.
Braudel afirma que a propagação do luxo então seria nada mais do que a apropriação de excedente, em outras palavras, para a existência de tal fenômeno, seria preciso todo um arcabouço, solidificado após o feudalismo, que garantiria que a massa deveria trabalhar, ou seja, produzir o necessário, para sustentar a existência da necessidade do supérfluo.
A meu ver, se o homem é realmente filho do desejo e não da necessidade, não seria lógico ele menosprezar a sua sobrevivência em preferência ao supérfluo. Pelo contrario, apenas após a solução do que é vital, e com todas as necessidades biológicas suplantadas é que surge espaço para aquilo que não é necessário, a idéia da obrigatoriedade do conforto e do prazer obtido através da cultura material. A contradição existente entre a miséria e o luxo, estaria então tencionada a coexistir e através da História devemos problematizar essa coexistência.
Ao falar sobre o período de aumento e retração do consumo de carne na Europa, Braudel demonstra que durante a Idade Média se consumira mais carne do que na era Moderna, e que ainda se comparadas à algumas civilizações asiáticas, a Europa do ocidente poderia ser vista como privilegiada no consumo de carne, mas para além dos séculos XV e XVI, o luxo à mesa seria reservado a poucos.
Como tão amplamente analisado por Norbert Elias, o conceito de civilização foi sendo desenvolvido ao longo de centenas de anos, num processo de longa duração, e teve como função demonstrar que a sociedade ocidente era superior a oriental, constituindo-se esta noção como uma visão de si mesma.
Percebe-se como esta noção vai ganhar uma conotação diferente com a Revolução Francesa, pois agora, o processo civilizador vai ser considerado como algo concluído nos países mais desenvolvidos economicamente, que agora teriam a missão de levar esta civilização a paises menos desenvolvidos, ou seja, a estes territórios considerados inferiores, levariam o mais alto padrão civilizador já alcançado.
Neste momento, começa-se a idéia de tentar ver o desenvolvimento da humanidade através de estágios, na qual existiriam os povos superiores e os povos inferiores.
Durante o próprio século XIX, as novas teorias positivistas dariam o suporte científico a esta visão, o evolucionismo de Spencer e o darwinismo social, procuravam comprovar que as sociedades se encontram em diferentes estágios evolutivos, criando assim a dicotomia bárbaro/civilizado, na qual o homem branco constituir-se-ia como superior, estando no topo da pirâmide racial como o homem civilizado.
É importante lembrar que historicamente a humanidade se organiza de maneira desigual e, a partir do inicio do capitalismo e das sociedades de mercado, ela só prospera em alguns países em detrimento de outros. Enquanto alguns desejarem o supérfluo, não haverá como prover o necessário para todos, já afirmava Braudel.Em outras palavras, enquanto para uns o desejo de satisfazer a vontade do supérfluo é de suma importância, para a maioria tal possibilidade só é possível após a superação do que é realmente necessário para sua sobrevivência.

A História da alimentação na sociedade do hedonismo.

Por Jessé A. Chahad




Alimentação e sociedade



O caráter primário aqui atribuído à alimentação então seria o caráter biológico, o da necessidade de se alimentar.
Parece-me razoável acreditar na teoria tradicional contida nos livros didáticos de História, na qual o homem primitivo, sua a afirmação como grupo dominante, e a reprodução da espécie humana foram proporcionados pelo aprendizado da agricultura através da prática da observação[1].
O plantio aliado à caça formaria as bases da cultura da alimentação humana, e proporcionaria o desenvolvimento de novas ferramentas, demanda das novas práticas alimentares[2]. A elaboração de bebidas e alimentos preparados cozidos é um exemplo.
O próprio conceito de sociedade pode ter surgido a partir da socialização dos alimentos, uma vez que em grupo, os homens deveriam administrar os recursos de maneira a fortalecer o grupo. A domesticação e cultivo passaram a gerar excedentes, que eram distribuídos em banquetes, e marcavam a celebração da colheita. Esse é o segundo aspecto ou caráter da alimentação a ser demonstrado aqui, o caráter social, ou agregador.
Alguns historiadores chegam a classificar a sociedade como fundamentalmente agrícola, principalmente a partir do século IX, levando em consideração o estabelecimento do sistema feudal, que proporcionaria o renascimento do comércio e um novo salto no progresso da civilização[3]. As especiarias assumem papel importante na história da alimentação, pois agregam valor simbólico antes inexistente a diversos alimentos, e seu comércio nas grandes navegações era destinado em sua maioria a um comércio de luxo, praticado durante a Idade Média e intensificado na era moderna. Diversos alimentos de usos restritos as camadas da aristocracia conferiam uma diferenciação social criada a partir de práticas alimentares.
O País da Cocanha, lugar utópico festivo, onde a comida era abundante e o trabalho não era necessário, onde existiam rios de leite e de vinho, queijos e pães eram obtidos sem dificuldade era não apenas uma utopia strictu sensu, mas um sonho que às vezes era perseguido como real pelos europeus.
Com a descoberta do novo mundo, criou-se uma possibilidade de reprodução do paraíso na Terra, sonho perseguido pelos cristãos, recém saídos da Idade Média e que agora poderiam enfim encontrar a Cocanha, a terra abundante de alimentos, festas, orgias que agora poderia lhe pertencer.
Sabemos através de várias fontes que a fome era uma dificuldade enfrentada sempre, quase que de forma cíclica pela população[4], e a natureza era muitas vezes severa sendo uma dificuldade a ser superada pelo homem para garantir a sua sobrevivência[5] e a de seus familiares. O clima temperado, frio, as chuvas fortes eram responsáveis pela pouca incidência de alimentos e consequentemente pelo enfraquecimento sistemático mesmo no sentido biológico da raça humana, sendo normal em escavações o alto numero de restos mortais de pessoas com estaturas franzinas e com deficiência de cálcio, uma característica que durante algum tempo foi quase que um estigma acoplado ao da fome: a subnutrição.
A onda de fome de 1315 alcança um numero de mortos que apesar das divergências em relação a sua exatidão, a historiografia concorda que foram números altos, maiores que a de outras ondas de fome anteriores[6]e marca uma ruptura em um processo de crescimento demográfico que havia lhe antecedido. Em suma, nesse período de breve crescimento demográfico, não cresceu paralelamente a produção de alimentos, e nem o avanço tecnológico necessário para isso[7], o que poderia explicar o surto de fome, que sempre reforça a idéia de se ter uma esperança relacionada a um futuro melhor, em um país imaginário, ou ainda no paraíso propriamente dito, visto que uma vida de sacrifícios era recompensada teoricamente com um lugar no céu cristão.

Os estudos dedicados aos herbários da era Moderna revelam que eram um tipo de publicação muito difundido no período, e tratava dos domínios animais, vegetais e minerais[8]. A história do desenvolvimento da botânica, da farmacologia se confunde com a história da alimentação, se considerar essas plantas como alimento. A palavra droga, deriva do termo holandês drug, que durante muito tempo foi usado para designar produtos secos, como nozes ou pimentas.
A partir da industrialização do sistema capitalista, mais uma vez os hábitos alimentares passariam por uma transformação. O período de guerras incrementou as pesquisas que buscavam uma solução para uma possível crise de falta de alimentos, dentro do contexto de catástrofe eminente criado pela Guerra fria. Os alimentos sintetizados supririam a demanda emergencial do contexto bélico na pior das hipóteses, porém ao final do conflito, com a vitória do capitalismo, tais pesquisas não poderiam ser desperdiçadas, e assim os alimentos industrializados precisariam ser difundidos na sociedade.
A evolução da ciência farmacêutica, portanto acompanhou o processo de sintetização pelo qual também a alimentação após as revoluções industriais. As ciências naturais foram suplantadas pela ciência industrial, e hoje qualquer prática que se utiliza dos conhecimentos antigos sobre curas a base de ervas ou alimentos é vista como puro charlatanismo e descrença. Claro que durante a Idade Média a Igreja deu inicio ao extermínio de religiões que se utilizavam das ciências naturais, mas após a revolução higienista foi o estado que se apropriou do monopólio da cura, com o estabelecimento da medicina moderna como ciência inquestionável.


Drogas e bebidas na sociedade hedonista.


Dentro do horizonte sugerido, o uso de drogas e bebidas também varia de acordo com o contexto histórico. O vinho desde tempos inomináveis foi utilizado no sentido de busca de prazer, mas sempre dentro do contexto também alimentício, pois acompanhava o banquete. A busca pelo prazer então não estava relacionada diretamente ao consumo do vinho, mas sim ao consumo em grupo e motivado por um evento comemorativo. O mito antigo de Dionísio já alertava que o vinho deveria ser diluído em água, a fim de evitar a embriagues, e exercer o autocontrole. O vinho, ou o uso do vinho no mundo clássico era então sinônimo de responsabilidade.
Certas drogas, por sua vez foram largamente utilizadas com sentido religioso por diversas civilizações, explorando suas propriedades alucinógenas em práticas rituais, em busca do contato com o sagrado, ou divino. Na América, temos o uso dessas substâncias em todas as civilizações principais, Maias, Astecas e Incas, tanto no contexto religioso, quanto medicinal, dois planos que então não se separavam[9].
Se utilizarmos um anacronismo a nosso favor, pensando no campo da história, onde a problematização do passado se dá a partir de paradigmas do presente, o uso religioso, medicinal ou social foi suplantado pelo uso em busca do prazer individual e imediato, hedonista, fruto da sociedade extremamente individualizada que carrega o fardo da ditadura da felicidade.
A ingestão de bebidas alcoólicas por si só já virou uma cultura, independente do caráter festivo ou reunião em grupo, mas não mais está ligada à idéia de responsabilidade, e sim pelo contrário, para se permitir ser irresponsável e aproveitar os efeitos da embriagues sem se preocupar com o mundo real. A propaganda divulgava o american way of life como modelo civilizatório e nele estava contida a idéia de prazer, conforto no sentido de ser feliz.
Ora, se o mundo pós-guerra estava destruído, a impossibilidade da felicidade real levava as pessoas à loucura, ou a busca de fuga de realidade, e as bebidas e drogas assumiam novos papéis. As bebidas ainda mais que as drogas, pois enquanto as drogas passaram por um processo de construção de preconceito e proibição que não serão aqui analisados, as bebidas têm a propaganda a seu lado e estão diretamente ligadas a idéia da busca do prazer.
Daí o desenvolvimento de inúmeras doenças crônicas ligadas ao conceito criado de escapismo, como dependência química ou alcoólica. No caso das drogas a proibição gerou problemas estruturais gravíssimos principalmente no terceiro mundo, pois a simples proibição obviamente não acabaria com a demanda da sociedade pelo seu consumo, visto que foi o próprio sistema capitalista pós moderno que levou a inversão de valores e de costumes, pois o escapista quer escapar de algo, e esse algo é o mundo que te obriga a ser feliz, mas não te dá condições materiais de alcançar a felicidade, ainda que fútil e fabricada para mascarar os horrores da guerra.
Para aqueles que não tem interesse no uso de bebidas e drogas em busca do prazer, o capitalismo encontrou a solução através da fetichização de outros alimentos em geral. Retomando a idéia de Braudel do luxo à mesa, e traduzindo o luxo na contemporaneidade por prazer, a criação de um mercado de alimentos que não mais ligados apenas à necessidade de nutrição, funcionam como as drogas e bebidas no sentido do escapismo. A proliferação da obesidade, doença antes considerada genética é evidencia de que a sociedade se alimenta de supérfluos, e essa necessidade vem suprir a demanda pelo prazer, que acontece de maneira legal e indiscriminada, ignorando os malefícios para o organismo, mas feliz em poder consumir aquele produto que a sociedade diz que você deve consumir para ser uma pessoa feliz, sempre com o auxilio da propaganda.
A história da alimentação então relacionada com historia social e cultural nos faz enxergar que os costumes e pratica alimentares da sociedade são parte do seu contexto histórico, e a reinvenção de valores ainda se dá a partir das camadas dominantes. Em tempos contemporâneos de superprodutividade, a fome e a miséria ainda resistem e se institucionalizaram para que pudessem exercer seu papel no sistema capitalista.
A busca pelo prazer nas camadas pobres é realizada pela simples presença da comida, enquanto a minoria abastada cria e recria modas e luxos a fim de buscarem também o seu prazer. Nos dois casos, a realização momentânea de um ato que trará felicidade e satisfação se encerra ao final da refeição. Se alimentar e se divertir ao mesmo tempo é o panis et circenses dos nossos dias que acomoda a sociedade, dando a impressão de estar plena e satisfeita com a nossa realidade apocalíptica e desigual.
Bibliografia

BRAUDEL, Fernand. Civilização material e capitalismo. Séculos XV-XVIII. Rio de Janeiro. Edições Cosmos. 1970.

CARNEIRO, Henrique S. Amores e sonhos da flora. Afrodisíacos e alucinógenos na botânica e na farmácia. São Paulo. Xamã Editora. 2002.

HOBSBAWM, Eric J. A era dos extremos. O breve século XX. 1914-1991. São Paulo. Companhia das letras. 1994.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de; CARNEIRO, Henrique S. A História da Alimentação: balizas historiográficas, in: Anais do Museu paulista. História e cultura material. São Paulo. Edusp. 1997. V5.

PARKER, Geoffrey. (Org.). Atlas da História do mundo. São Paulo. Time Books. 1995.

PIRENNE, Henri. História econômica e social da Idade Média. São Paulo. Editora Mestre Jou. 1968.

OSGOOD, Robert E. (Org.) Os Estados Unidos e o mundo. Da Doutrina Truman ao Vietnã.São Paulo. Ibrasa. 1972.
[1] Geoffrey PARKER, Atlas da História do Mundo, p.35.

[2] Derek BIRDSALL, Carlo CIPOLLA, The technology of man, p.29.

[3] Henri PIRENNE, História econômica e social da Idade Média, p.15 a 30.

[4] Hilário FRANCO JUNIOR, A utopia da abundancia: A Cocanha, p.26.

[5] Georges DUBY, Guerreiros e camponeses. Primórdios do crescimento econômico europeu séc.VII a XII.,p.17.

[6] Henri PIRENNE, Historia econômica e social da Idade Média, p.200.

[7] Gerald A.J.HODGETT, Historia Social e Econômica da Idade Média, p125.

[8] Henrique CARNEIRO, Amores e sonhos da flora, p.23.
[9] Henrique CARNEIRO, Amores e sonhos da flora, p.177.

sábado, 10 de maio de 2008

O LSD e a crise da ética protestante: o espírito da (contra) cultura juvenil. EUA. 1960

Por Gustavo T. Santos


Da mesma forma que o rock foi a trilha sonora por excelência da revolução (contra) cultural da década de 1960 nos EUA, podemos dizer que uma droga em especial foi o seu tônico: o LSD. Mesmo que a maconha fosse a droga que mais tivesse adeptos, o impacto causado pela novidade e pela potência dos efeitos do LSD confere a esta substância uma muito maior importância simbólica.



Desde que começou a se tornar um fenômeno cultural em 1962, quando a imprensa norte-americana o descobriu e passou a alardear os “perigos” da droga, esta substância, que é administrada em doses microscópicas, passaria a ser um fenômeno social de proporções macroscópicas. Talvez nem tanto pelo número de pessoas que fizessem uso da droga, mas pelo frenesi que ela gerou e mesmo pelo impacto que geraria nos anos subseqüentes na cultura de massas.Pensemos no uso da palavra “psicodelia”.



A série de imagens que nos podem vir a mente quando ouvimos o termo por certo remetem a uma determinada estética visual e sonora que ilustram muito bem a ética de “sexo, drogas e rock and roll”, surgida nessa década. Psicodélico, no entanto, é um termo cunhado em 1957 pelo Dr. Humphry Osmond, psiquiatra de Nova York, e se refere às substâncias expansoras de consciência, tal qual a mescalina, a psilocibina, entre outras.



Do jargão científico o termo passou ao campo da cultura, reproduzindo a trajetória do próprio LSD, que dos laboratórios e consultórios médicos chegou às mãos (e às cabeças) de jovens estudantes universitários, intelectuais, artistas e uma quantidade considerável de hippies e outros elementos da contracultura.



Mesmo que não seja possível investigarmos aqui – talvez nem a neurologia seja plenamente capaz disso – como exatamente o LSD interfere na criatividade dos indivíduos, não há como deixarmos de relacionar como o LSD interferiu na cultura, ou melhor, contra-cultura norte-americana (e por conseqüência do ocidente) a partir da década de 1960.Para começar, mudemos rapidamente de tempo de lugar.



O CRIADOR



Os poderosíssimos efeitos do LSD seriam pela primeira vez experimentados em 1943, pelo químico suíço Albert Hofmann, pesquisador da empresa farmacêutica Sandoz, na Basiléia. Há anos investigando as propriedades do ácido lisérgico, extraído do fungo ergot, conhecido na Europa desde a Idade Média por desenvolver-se no centeio, Hofmann empenhava-se em desenvolver um medicamento para conter hemorragias advindas de complicações no parto. Das várias substâncias isoladas do ácido lisérgico, a vigésima quinta delas, isolada em 1938, a dietilamida do ácido lisérgico (LSD-25) não despertou interesse de nosso cientista no princípio.




Depois de cinco anos sem trabalhar com o LSD-25, Albert Hofmann decidiu preparar um pouco mais da substância para realizar testes com ela. Mas naquela tarde de 16 de abril teve de interromper o trabalho devido a “inquietudes” e “vertigens”, de qualquer forma “não desagradáveis”: “um fluxo ininterrupto de quadros fantásticos, formas extraordinárias com um intenso caleidoscópico jogo de cores”.




Algum traço do LSD-25 foi absorvido provavelmente pelos dedos do Dr. Hofmann, intrigando-o pela potência dos efeitos verificados, já que apenas uma quantidade muitíssimo pequena poderia ter sido ingerida nas condições em que ele trabalhava. Sendo assim, ele resolveu fazer uma auto-experiência controlada.Os relatos são impressionantes. Com uma dose de 250 microgramas, que Hofmann julgou que fosse uma dose bastante pequena, mas suficiente para experimentar os efeitos do LSD-25. Juntamente com seu assistente, voltou para casa de bicicleta, devido às restrições ao uso de automóveis durante a guerra, já tendo consciência de que as sensações experimentadas anteriormente eram de fato devidas ao LSD-25.




O que sentiu em sua casa vai desde a visão semelhante a um espelho torto até a “dissolução” do próprio ego, juntamente com uma sensação de pânico: “Era o demônio que desdenhosamente triunfava sobre minha vontade. Fui tomado pelo terrível medo de ter ficado louco. Eu fui levado para um outro mundo, um outro lugar, um outro tempo.”




Apesar da condição de fraqueza profunda durante a experiência, no dia seguinte Albert Hofmann não carregava qualquer efeito colateral, ressaca ou mesmo indisposição.Uma nova droga, com poderosos e impressionantes efeitos, acabara de ser revelada à ciência. Durante os anos seguintes, permaneceria restrita nos restritos círculos de cientistas e intelectuais, até que durante os anos 1960 um psicólogo de Harvard se empenharia em divulgá-la, fazendo questão de enfatizar suas propriedades “milagrosas”.


O PROFETA


Aldous Huxley, em seu ensaio de 1954, As portas da percepção, relatava sua experiência psicodélica após haver experimentado mescalina. Com essa obra, Huxley se tornaria como que no profeta da contracultura.

O nome da famosa banda de Jim Morrison, famoso por seu gosto por LSD, The Doors (As Portas), foi inspirado na leitura do ensaio de Huxley. Diz um verso de William Blake, em The Marriage of Heaven and Hell: “If the doors of perception were cleansed everything would appear to man as it is, infinite”. É nesse sentido que Huxley desenvolve suas reflexões acerca do uso da mescalina: com as “portas da percepção” abertas, consegue obter uma “visão sacramental da realidade”, onde percebia o mundo “infinito em sua importância”, e põe em paralelo observações puramente estéticas acerca da beleza das flores ou da mobília de seu escritório e pensamentos acerca da Mente e da Divindade: a transfiguração da mente permitiria ao observador perceber o “Tudo em cada isto”.


Em outro ensaio sobre o mesmo tema, Céu e Inferno, Huxley pondera, entretanto, que a abertura dessas portas da percepção não necessariamente levariam o viajante ao paraíso, podendo, ao contrário, arremessá-lo, dependendo de suas condições psicológicas, diretamente ao abismo infernal, semelhante ao experimentado pelo esquizofrênico.


Duas décadas antes, Huxley publicara o livro Admirável mundo novo, no qual previa uma sociedade no futuro onde a racionalidade técnico-científica desenvolvera-se a tal ponto que a estabilidade social era absoluta. A visão era, no entanto, assustadora: os seres humanos eram fabricadas como bens industriais, rigidamente divididos de acordo com sua função social e controlados pela mente pelo soma: uma droga capaz de anestesiar totalmente a dor e as aflições dos indivíduos, onde o sentir-se bem o tempo todo era um princípio “moral”, atingido mantendo-se a população constantemente “chapada”.


Não se pode crer, entretanto, que tenha sido intenção de Huxley se tornar profeta dos hippies ou qualquer coisa do gênero. Definindo-se apenas como um livre-pensador agnóstico, Huxley tinha clareza para notar que, por mais que os meios artificiais de alteração da percepção pudessem ser positivos para a experiência transcendente, poderiam ser ao mesmo tempo um meio de controle social e alienação dos indivíduos.


O APÓSTOLO

Convertido do catolicismo ao hinduísmo em 1965, Timothy Leary, que cinco anos antes havia tido sua primeira experiência psicodélica com cogumelos no México, ficaria conhecido pela sua ativa militância a favor da generalização do uso de drogas expansoras da mente, com fins espirituais, com especial destaque para o LSD.


Seu cargo de professor de psicologia em Harvard foi por água abaixo devido ao seu envolvimento com o LSD e psilocibin, mas Leary não pareceu se preocupar com isso. Desde que começou suas experiências em 1961, envolvendo estudantes não graduados – muitos dos quais eles próprios voluntários nessas experiências – o nome do Dr. Timothy Leary esteve envolvido em vários escândalos.Já no ano de 1961 Timothy Leary e seu parceiro Richard Alpert foram convocados a darem explicações a seus superiores, e como a polêmica não diminuísse e Leary não desistisse de suas experiências, acabou demitido em 1963.


A inabalável fé de Leary no potencial do LSD fica manifesta na sua declaração conjunta com Alpert à Harvard Review, depois de ambos serem demitidos:
“Devemos continuar a prender, executar, exilar nossos visionários em êxtase e depois encerrá-los em santuários, como os heróis de amanhã?... A sociedade precisa de sábios-sacerdotes para fornecer a estrutura – a musculatura intelectual, carne e osso para manter as coisas unidas... O sistema nervoso pode ser mudado, integrado, ter seu circuito refeito, suas funções expandidas. Essas possibilidades naturalmente ameaçam todos os ramos da Ordem Estabelecida... Nossos conceitos favoritos estão parados no caminho da maré enchente que há dois milhões de anos se vem avolumando. O açude verbal está em colapso. Corram às colinas ou então preparem sua habilidade intelectual para fluir com a corrente.”


Mesmo fora da universidade Leary e seus seguidores – que eram cada vez em maior número – continuaram com suas experiências em busca de transcendência espiritual por meios artificiais. Liderou algumas iniciativas, como a International Federation for Internal Freedom e a Castalia Foundation, organizando experiências com LSD e outras drogas psicodélicas nos Estados Unidos e no México. Leary e suas iniciativas foram sistematicamente atacadas pela imprensa e pela polícia. Em abril de 1963, um xerife acompanhado de 22 policiais invadiu a Castalia Foundation, prendendo Leary e vários outros, por ter encontrado maconha e “outros itens de interesse”. Lawrence M. Quinlan, o xerife, afirmou que seus homens haviam visto, momentos antes da invasão, “várias pessoas dançando freneticamente em torno de uma fogueira.


Isso não é normal”. Várias vezes ao longo das décadas de 1960 e 1970 Timothy Leary foi levado à cadeia. Ao mesmo tempo, as autoridades norte-americanas tentaram – e, de um modo geral, fracassaram – apagar a existência do LSD. O apóstolo do LSD acabaria por cair no ostracismo e se dedicar a outras pesquisas. O LSD e seu impacto causado na sociedade já seriam irreversíveis.


Texto completo em


sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Preludio de uma Guerra

Por Jessé A. Chahad

O filme é um documentário que mostra a visão do Governo americano sobre a invasão japonesa na Manchúria, a conquista da Etiópia pelos italianos, e o início da movimentação das tropas nazistas em direção ao Leste Europeu. Em outras palavras, insinuam um movimento de conquista mundial praticado pelos governos fascista.
Os créditos da introdução confirmam o caráter de oficialidade do documento, e reforça a idéia de construção do fato histórico a partir da visão governamental, que procurava justificar a participação dos Estados Unidos no conflito. O filme foi exibido primeiramente apenas para o público militar, e a partir da percepção da eficácia de sua mensagem, foi liberado pelo Governo para o público em geral, desconfiado e temeroso com a globalização do conflito que iniciara na Europa.
A indústria de Hollywood, às vésperas da Segunda Guerra Mundial produzia tantos filmes quanto todas as outras indústrias combinadas, quase dez filmes por semana, e acompanhava o ritmo da corrente Revolução Industrial, que se encontrava em seu auge, e curiosamente após o termino da Guerra havia desmoronado[1]. A propaganda de guerra eficiente escondia as mazelas que acabariam atingindo diversos setores da economia americana, questionando a validade de sua intervenção.
O principal elemento de convencimento trazido pelo filme, é a busca pela Liberdade, conceito que será apropriado pelos Aliados a fim de glorificar a carnificina realizada durante a Guerra. Libertar os povos dominados pelo Nazismo e Fascismo consistia em menor parte conceder a eles autonomia, e sim impor sua política. Sob a bandeira americana se escondiam novos planos de reorganização e dominação mundial.
Na cena em que aparecem dois globos terrestres em rota de colisão, um mais claro, representa os “Aliados da liberdade”, e um outro mais escuro, “o eixo do mal”. A simplificação entre mundo do bem versus mundo do mal, em outras palavras o maniqueísmo propagado pela cena era suficiente e eficiente para a inteligência de uma população com alto índice de analfabetismo[2].
A aprovação popular da participação na Guerra era fundamental, pois propiciava menor crítica à quantidade de dinheiro a ser gasta com tal projeto, e ainda provocava no público o sentimento de responsabilidade perante o conflito, pois se eram tão nobres e justos os ideais libertários e de igualdade, que a população não tinha motivos para não a endossar.
Sabendo que o documentário é o gênero cinematográfico que carrega o estigma compartilhado pela fotografia – de retrato fiel da realidade - devemos entender que o documentário não pode ser considerado um reflexo direto da realidade, mas sim como trabalhos nos quais as imagens dão forma a um discurso narrativo com um significado determinado[3]. Porém, para o público considerado comum, essa especificidade não é levada em consideração, e muitas vezes o Cinema é entendido como capaz de reproduzir fielmente os acontecimentos de um determinado fato histórico, problema que pode ser tratado por aqueles que se dedicam ao ensino da História.

Cinema no ensino de História: O Filme e suas possibilidades
No campo do ensino da História, os filmes de cunho histórico são fontes inesgotáveis de possibilidades de propor discussões e provocar a reflexão no estudante.
Se considerarmos que o caráter visual da sociedade atual se sobrepõe aos demais sentidos na percepção e no entendimento da realidade, é razoável a afirmação de que o Cinema é atraente e atinge quase em sua totalidade o dia a dia do estudante, seja do ensino regular ou mesmo superior. A partir da exibição de filmes que trazem em seu conteúdo fatos históricos a serem estudados nos programas tradicionais, o profissional dedicado ao ensino de História consegue ao menos atrair mais atenção para o assunto, o que já é desejável em tempos de tão grande desinteresse pelo estudo por parte dos alunos.
A partir deste primeiro momento, a intenção seria realiza debates acerca do assunto trazido pelo filme, e como os fatos foram tratados, a fim de identificar possíveis interpretações e pontos de vista expressos por detrás das imagens, suscitando a curiosidade que levará naturalmente à pesquisa sobre o tema.
A tão criticada indústria cinematográfica hollywoodiana serve de exemplo não apenas por dedicar tantos recursos à produção de filmes “históricos”, que abrangem a sua própria História recente, além de atingir temas Clássicos, como a Guerra de Tróia, ou ainda Rei Arthur, que de longe procuram se inserir no caráter do cinema real, de fidelidade, mas buscam a verossimilhança em suas narrativas, que são sucessos de bilheteria e despertam de alguma forma, por menos louvável que seja, o interesse sobre temas históricos.
No Brasil, são pouquíssimos investimentos na produção de filmes, históricos ou não; a indústria e o mercado cinematográfico tentam ressurgir após um longo período lacônico em sua produção, e apenas no início da década de 1990, recomeçaram a surgir com mais força. Evidentemente, uma maior produção de filmes sobre a História do Brasil, produziria também um aumento do público interessado em História, além de possibilitar novas visões e possíveis revisões de alguns momentos cruciais do nosso país, como as discussões proporcionadas pelos diversos filmes feitos sobre a época da Ditadura Militar.

Conclusões
Ao se propor a utilização de filmes, documentários ou mesmo comerciais, no debate e no ensino de História, se propõe acima de tudo a busca de adequação do ensino à demanda da sociedade, a fim de despertar o interesse para a História, e consequentemente propor a reflexão sobre o assunto.
A partir desta proposta, demonstrar ao estudante a potencialidade do Cinema como formador de opinião, e mais, como construtor de memória e idealizador de projetos que contam com uma intencionalidade, e que são produtos de um tempo histórico único, de uma sociedade com características próprias. Despertar essa consciência no estudante por si só já pode ser considerado um resultado positivo.
Para os historiadores, mais importante do que condenar a presença de duendes e dragões, personagens comuns em filmes que remetem à Idade Média, é explorar a potencialidade deste tipo de documento, e como ele pode ser útil para a produção de conhecimento. Cada filme tem suas características próprias de estilo, ação, suspense, comédia, terror, etc.. E o documentário é mais uma forma de expressão cinematográfica, com a especificidade de carregar em si o caráter de oficialidade, de versão “original” da História, que cabe ao historiador problematizar e debater em sala de aula.
Uma questão a ser levantada, por exemplo, pode ser o fato de como algumas lideranças mundiais se apropriam de valores, como a liberdade, igualdade e democracia, e, além disso, constrói uma nova significação destes valores, a fim de justificar um propósito, como no caso da Segunda Guerra, a necessidade da emergência dos Estados Unidos como potência militar e econômica, que deveria liderar o mundo com seus ideais de justiça e libertação.
Ainda hoje podemos identificar essa prática na sociedade americana, altamente militarizada e sempre disposta a endossar um conflito, uma invasão de um país qualquer que não dê liberdade ao seu povo, que não exerça a democracia. Por outro lado, os verdadeiros motivos que deflagram a maioria dos conflitos desde a Primeira Guerra, são quase sempre relacionados às questões de territorialidade, em outras palavras, à conquista e dominação de territórios que dispões de recursos estratégicos, ligados a algum setor da economia.
A produção de filmes de guerra é quase concomitante com a produtividade da indústria bélica estado-unidense, e ambas aumentam seus lucros, e renovam suas tecnologias de maneira impressionante, que nos levam a crer que a relação entre Cinema e História está muito mais presente no dia a dia do que podemos imaginar, e que a construção da memória de um povo, mais ainda, a construção de um senso moral comum de justiça e caráter, passa pelo crivo da indústria cultural e com ela se entrelaça, pois fazem a cultura visual e a sociedade personagens de um mesmo longa metragem.








Bibliografia

CHARNEY, Leo & SCHWARTZ (orgs), Vanessa R. O cinema e a invenção da vida moderna, Cosac & Naify, São Paulo, 2001.

FERRO, Marc, Cinema e História, Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1992.

GEARY, Patrick J. O mito das nações – A invenção do nacionalismo, Conrad, São Paulo, 2005.

HOBSBAWM, Eric J., A era dos Impérios, 1875-1914, Paz e Terra, São Paulo, 1988.

HOBSBAWM, Eric J., A era dos Extremos, O breve século XX-1914-1991, Cia. das Letras, São Paulo, 1995.

LE GOFF, J. e NORA, P. (Orgs) História: novos objetos, Rio de Janeiro, 1976.

MENESES, Ulpiano Bezerra de. “Fontes visuais, cultura visual, história visual. Balanço provisório”. Revista Brasileira de História, ANPUH, São Paulo, 23, 2003.

ORR, John, Cinema and modernity. Polity Press, Cambridge, 1993.

RAMOS, José Mario Ortiz, Cinema, estado e lutas culturais-anos 50-60-70, Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1983.

ROSENSTONE, Robert, “História e imagens, História em palavras: reflexões sobre as possibilidades de plasmar a História em imagens”. O Olho da História-Revista de História Contemporânea. Salvador, 1 (5): 105/116, set. 1998.

WILLIAMS, Christopher (Org), Realism and Cinema, Routledge and Kegan
Paul, New York, 1980.
[1] Eric HOBSBAWM, As Artes, 1914-1945, in: A Era dos Extremos, p.195.
[2] Idem, p.193.
[3] Robert ROSENSTONE, História em imagens, história em palavras: reflexões sobre as possibilidades de plasmar a história em imagens, p. 08.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Utilidade da História: existe?

Por Jessé A. Chahad

Maquiavel certa vez decidira que deveria tecer uma “comparação entre fatos antigos e contemporâneos, de modo a facilitar-lhes (aos homens) a compreensão. Deste modo, meus leitores poderão tirar daqueles livros toda a utilidade que se deve buscar no estudo histórico” [1]. Inicialmente devemos entender que para Maquiavel, conduzido pelas tendências liberais de sua época, produzir uma utilidade para o estudo de História, seria o uso racional do estudo do passado, a fim de que não se cometessem os “mesmos erros” que haviam sido cometidos.
A busca pela melhoria da sociedade através da melhoria dos indivíduos deveria contar com as lições aprendidas sobre fatos históricos, incorporando uma produtividade e uma objetividade necessária a quase todas as questões modernas e contemporâneas. Niestzche afirma que a utilidade, ou valor de uso da história residiria no fato de que “Ele ( o homem) aprende com isso( história) que a grandeza, que existiu uma vez, foi, em todo caso, possível uma vez e, por isso, pode ser que seja possível mais uma vez; segue com ânimo sua marcha, pois agora a dúvida, que o assalta em horas mais fracas, de pensar que talvez queira o impossível é eliminada.[2]
A crítica é direcionada ao culto que os modernos demonstravam para com a Antiguidade Clássica, se referindo as civilizações ocidentais greco-romanas e seus feitos sempre glorificados e louvados de forma a serem tidos como referencial para uma sociedade teoricamente perfeita, que deveria ser tida como exemplo. A Historiografia do início do século XX nos remete ao trecho citado, se lembramos que Fustel de Coulanges em seu esforço de confirmar a existência de uma utilidade para a História, lembra Maquiavel com ressalvas ao afirmar que a “a história não resolve problemas: ela nos ensina a examiná-los (...) como é preciso agir para observar os fatos humanos” [3].
A busca pela verdade era fundamental para a criação de uma utilidade para a História e encontrava barreiras nas narrativas que mitificavam o passado antigo e escondiam seus defeitos e erros, em uma verdadeira operação ideológica que agia em favor da civilização européia ocidental e seus objetivos imperialistas em relação a entre outros feitos, as investidas no ultramar. Este excerto de Marx resume bem a reflexão acerca deste fenômeno: “Os homens fazem sua própria história, mas não a fazem como querem; não a fazem sob as circunstâncias de sua escolha e sim sob aquelas com que se defrontam diretamente, legadas e transmitidas pelo passado. A tradição de todas as gerações mortas oprime como um pesadelo o cérebro dos vivos. E justamente quando parecem empenhados em revolucionar-se a si e as coisas, em criar algo que jamais existiu, precisamente nesses períodos de crise revolucionária, os homens conjuram ansiosamente em seu auxílio os espíritos do passado, tomando-lhes de empréstimo os nomes, os gritos de guerra e as roupagens, a fim de apresentar a nova cena da história do mundo nesse disfarce tradicional e nessa linguagem emprestada[4]
Francisco Murari nos lembra que desde Tucídides e seu relato sobre a Guerra do Peloponeso, a mitificação do passado, ou do indivíduo deve ser evitada, pois desviaria o objetivo maior, o relato da verdade: “Por tais modos narrativos, consagrados por poetas e logógrafos, a narração de histórias sujeitava (e perdia) sua finalidade enquanto memorização de feitos humanos ao sacrificar a expressão da verdade dos acontecimentos em prol da fruição do que era do agrado do público presente a quem fossem contadas. Ordenação da narrativa das ações dos homens pelos efeitos do mito que frustra a valia de suas histórias fazendo desvanecer, pelo deleite fugaz do presente, o alcance perene a que a memória humana almeja por (i)mortalidade.”
Se utilizarmos um anacronismo a nosso favor, poderemos relacionar o modo narrativo mitificante criticado por Tucídides ao modo de narrativa utilizado pelo cinema de Hollywood para agradar seu público e que por diversas vezes se valendo de seu caráter artístico refaz à sua maneira diversas passagens históricas, momentos estes que detém esta alcunha por serem freqüentemente considerados significativos para a mudança da sociedade através dos tempos e que ganham novas leituras, novos significados, e procuram servir a um determinado interesse ideológico e / ou comercial.
Na contramão desta tendência, podemos citar os filmes do diretor americano Clint Eastwood, Letters from Iwo Jima e Flag of our Fathers .O ator que antes era tido como o estereotipo de Dirty Harry deu lugar a um diretor que traz em seus filmes questões dramáticas recheadas de simbolismos e forte apelo emocional, porém sem recorrer ao sensacionalismo. Eastwood parece se utilizar da credibilidade obtida com sua carreira irretocável para atingir o senso comum do público, neste caso com dois filmes sobre a Segunda Guerra Mundial, especificamente sobre os conflitos travados no Pacífico entre Estados Unidos e Japão. Com um filme falado em inglês e outro em japonês, fica evidente a intenção de situar cada narrativa sob um ponto de vista, ignorando que o fato de que a versão da história contada pelo foco dos japoneses produzida por um americano poderia ser tendenciosa.
Longe de tentar fazer julgamentos, não devemos colocar em dúvida o fato de que o diretor sabia que não era isento ao olhar o passado, e não poderia ter a visão direta do passado, preterida pelos modernos, desejo reforçado mais tarde pelos que buscaram uma verdade histórica e imparcial, praticamente inexistente na realidade. Eastwood mostra que o bem e o mal são duas faces da mesma moeda, ou se quisermos ambos os conceitos existem como trazidos na Ilíada, dentro de um caldeirão onde saem de lá em pares, em outras palavras são inseparáveis, o bem sempre traz consigo algum mal e vice-versa, como também já apontou Maquiavel. Antigos, modernos e contemporâneos se sobrepõem e se confundem na tentativa de explicar dois conceitos aparentemente simples, mas de complexidade histórica.
No final do filme o protagonista já não mais foge do inimigo americano, e sim de seus próprios companheiros. Derrotados, os japoneses acreditam ser heróis ao se suicidar, ou melhor, “morrer lutando”, como traz o filme, e certamente já ouvimos relatos sobre os pilotos kamikaze, sopro divino, que se projetavam contra divisões inteiras do inimigo, se sacrificando pelo bem maior, criando o mito do herói de guerra, por sua vez remetendo a própria antiguidade japonesa.
Ao recusar tal tradição, a personagem se depara com a inversão automática de valores, e a rendição aos americanos, que afinal não podem ser tão ruins assim, parece opção razoável para fugir da ameaça de seus companheiros suicidas. Bem e mal se confundem, e ao conseguir escapar das cavernas e trincheiras onde a morte era certa, a busca pela sobrevivência acima de tudo, o leva a se render aos americanos, agora portadores dos princípios do bem, do novo mundo, da civilização ocidental, gloriosa e portadora da liberdade, inspirada no mundo clássico greco-romano. Ao ser capturado, porém o personagem é executado sumariamente, de maneira usual, é desprezado o seu desejo de rendição; Sua morte traz a idéia novamente de que não existem bem ou mal, e sim os dois juntos, de acordo com o prisma pelo qual procuramos os iluminar.
No outro episódio, Flags of our fathers, Eastwood traz a mitificação do passado histórico através da circulação de uma fotografia produzida durante a guerra. A imagem obtida pelo correspondente de guerra Joe Rosenthal é uma fotografia tida como documental, e figura hoje em diversos volumes sobre a Segunda Guerra, e tem status de representação oficial da conquista de um determinado monte por parte das tropas americanas. Virou um monumento fúnebre, muito visitado por veteranos, em dos cemitérios que mais contem baixas de guerra nos Estados Unidos.
Porém, o filme demonstra que o contexto da imagem foi produzido de maneira diferente do que mais tarde foi circulado de maneira intensiva pela imprensa norte – americana. A construção de imagem heróica daqueles soldados empunhando a fincando no solo a bandeira americana foi utilizada como instrumento para convencer a sociedade de que poderiam vencer a guerra, e serviu como fôlego extra para uma retomada de combates, com mais vigor, pois lutavam do “lado do bem”. A mitificação da conquista americana esconderia as carnificinas executadas pela marinha, e principalmente pelos bombardeios de napalm, responsáveis pela destruição física de mais de 40% do território japonês.
De certa forma, o olhar que Eastwood lança ao criar uma narrativa de cunho histórico, este de acordo com o olhar tucididiano, que “volta a plenificação de sua valia para o futuro, quer imediato quer longínquo, porque os homens desta temporalidade a reconheçam no presente de suas ações”. Mais uma vez voltamos a uma utilidade atribuída ao estudo histórico.
A crítica feita pelo diretor é produzida em um momento em que o seu país, se julga mais do que nunca, o representante do mundo do bem, dos ideais invejáveis e gloriosos, que foram introjetados em diversas culturas mundo afora, sob forma de conquistas bélicas, impondo a democracia e a liberdade, estas forjadas à sua maneira, escondendo interesses comerciais e produzindo anomalias históricas, como a tentativa de destruição do mundo islâmico.
Para estabelecermos uma comparação, um outro filme que vai contra a produção de mitos, é Diário de motocicleta, dirigido pelo brasileiro Walter Salles. O diretor relata um período da vida de Ernesto Guevara, El “Che”. Ao invés de criar um herói de guerra, Salles cria uma narrativa em que o protagonista ainda jovem e antes de se dedicar a luta armada pela revolução, é retratado como um estudante de medicina, caridoso e dedicado, que se mistura aos pobres e leprosos, em busca de curá-los, como Cristo. A desmistificação da imagem que permaneceu após a Revolução Cubana, de um Che Guevara líder heróico que comandou a vitória à custa de métodos violentos, dá lugar à criação de uma outra imagem, que por sua vez reside na característica humana do agente histórico mais influente na visão dos historiadores modernos: o individuo.
Por detrás da sólida carapaça criada pela historiografia que procurou durante muito tempo trabalhar a história através da produção de mitos, a fim de produzir e determinar valores para a sociedade atual, reside a instabilidade e a especificidade inerente a cada ser humano, e sua historicidade não deve ser desprezada, assim como a história das mentalidades deve ser enfatizada na busca de um maior entendimento sobre os fatos ocorridos nas sociedades do passado. Benedetto Croce radicaliza a questão, afirmando que toda história é contemporânea, pois todo o interesse depositado em seu conhecimento é causado por um “interesse da vida do presente”[5].A História Magistra Vitae, conceito difundido e estudado nas academias é presente desde o período clássico até os dias de hoje.
Cinema e História: O Filme e suas possibilidades
No campo do ensino da História, os filmes de cunho histórico são fontes inesgotáveis de possibilidades de propor discussões e provocar a reflexão no estudante.
Se considerarmos que o caráter visual da sociedade atual se sobrepõe aos demais sentidos na percepção e no entendimento da realidade, é razoável a afirmação de que o Cinema é atraente e atinge quase em sua totalidade o dia a dia do estudante, seja do ensino regular ou mesmo superior. A partir da exibição de filmes que trazem em seu conteúdo fatos históricos a serem estudados nos programas tradicionais, o profissional dedicado ao ensino de História consegue ao menos atrair mais atenção para o assunto, o que já é desejável em tempos de tão grande desinteresse pelo estudo por parte dos alunos.
O papel do cinema como formador de opinião, assim como o papel do mercado no sentido de se criar um imaginário e sua mercantilização estarão inseridos no contexto do trabalho, procurando assim encontrar um sentido na produção de obras de acesso ao público em geral que procuram criar um universo mitológico, às vezes maniqueísta e que pode servir aos interesses das grandes empresas, e é de importância do estudo dos historiadores, pois toca na questão da mercantilização do ensino, no sentido de transformar um pedaço da historia em um produto.
A partir deste primeiro momento, a intenção seria realiza debates acerca do assunto trazido pelo filme, e como os fatos foram tratados, a fim de identificar possíveis interpretações e pontos de vista expressos por detrás das imagens, suscitando a curiosidade que levará naturalmente à pesquisa sobre o tema. O filme não seria abordado artisticamente, mas como produto, imagem-objeto que procura compreender não só a obra, mas a realidade que ela representa[6].
A tão criticada indústria cinematográfica hollywoodiana serve de exemplo não apenas por dedicar tantos recursos à produção de filmes “históricos”, que abrangem a sua própria História recente, além de atingir temas Clássicos, como a Guerra de Tróia, ou ainda Rei Arthur, que de longe procuram se inserir no caráter do cinema real, de fidelidade, mas buscam a verossimilhança em suas narrativas, que são sucessos de bilheteria e despertam de alguma forma, por menos louvável que seja, o interesse sobre temas históricos.
Uma questão a ser levantada, por exemplo, pode ser o fato de como algumas lideranças mundiais se apropriam de valores, como a liberdade, igualdade e democracia, e, além disso, constrói uma nova significação destes valores, a fim de justificar um propósito, como no caso da Segunda Guerra, a necessidade da emergência dos Estados Unidos como potência militar e econômica, que deveria liderar o mundo com seus ideais de justiça e libertação.
Sobre a relação entre história e cinema, Marc Ferro nos diz que o cinema tem o poder de se situar a serviço de uma causa, de uma ideologia, explicitamente ou sem colocar abertas as questões, e por isso seria objeto de desejo de controle pelo Estado que procura dominá-lo a seu favor, talvez como elemento formador de opinião. Para o autor, os filmes operam com um modo de ação eficaz e dependem tanto da sociedade que produz o filme, quanto da que o recebe. O autor afirma que tanto as civilizações ocidentais como as orientais tiveram atitudes claras de tentativa de controle do cinema como instrumento de formação de opinião, e cita o exemplo de que em 1975, a exibição de um filme letão na ex-ORTF ( Office de Radiodiffusion-Television Française ) sobre campos de concentração na então União Soviética, o que causou uma intervenção imediata do Partido Comunista Francês. [7]
Ainda hoje podemos identificar essa prática na sociedade norte-americana, altamente militarizada e sempre disposta a endossar um conflito, uma invasão de um país qualquer que não dê liberdade ao seu povo, que não exerça a democracia. Por outro lado, os verdadeiros motivos que deflagram a maioria dos conflitos desde a Primeira Guerra, são quase sempre relacionados às questões de territorialidade, em outras palavras, à conquista e dominação de territórios que dispões de recursos estratégicos, ligados a algum setor da economia.
A produção de filmes de guerra é quase concomitante com a produtividade da indústria bélica estado-unidense, e ambas aumentam seus lucros, e renovam suas tecnologias de maneira impressionante, que nos levam a crer que a relação entre Cinema e História está muito mais presente no dia a dia do que podemos imaginar, e que a construção da memória de um povo, mais ainda, a construção de um senso moral comum de justiça e caráter, passa pelo crivo da indústria cultural e com ela se entrelaça, pois fazem a cultura visual e a sociedade personagens de um mesmo longa metragem.
Sabemos que os filmes não têm a obrigação de serem fiéis à história, porém em um artigo publicado em 1982 na Revista “Médiévales”, François-Jérôme Beaussart faz uma crítica acerca de Excalibur e diz perceber no filme cenas ridículas e fora de época, o que significa uma construção errônea feita sobre o período, o que pode nos ajudar a entender o motivo de sua produção. Diz ele: a reconstituição de dança medieval, que apresenta enormes cavaleiros passando sobre seus ombros largos frágeis senhoritas durante uma espécie de ‘be-bop’ endiabrado. [8] Ou ainda, a ridícula prestação coreográfica que a pobre Igerne, obrigada a executar uma dança provocante e lasciva sob o olhar lúbrico de cavaleiros bêbados, que Beaussart qualifica como um número de music-hall que não teria envergonhado as Salomés dos estúdios da Metro-Goldwin.[9]
Para os historiadores, mais útil do que condenar a presença de duendes e dragões, personagens comuns em filmes que remetem à Idade Média, é explorar a potencialidade deste tipo de documento, e como ele pode ser útil para a produção de conhecimento. Assim considerando, uma utilidade para a História poderia ser produzida a partir da proposta de reflexão acerca dos fatos que mais chamam a atenção da sociedade na longa duração. A indústria cinematográfica enxerga essa utilidade possibilitada pela História, e com diversos interesses traz fatos do passado para serem revistos, e à sua maneira participa ativamente da relação entre o individuo e a história, relação importante para entendermos os humanistas da era moderna.

Humildes conclusões.
A partir do debate aqui suscitado por alguns temas destacados do curso, procurou-se demonstrar que apesar de todas as ressalvas, não podemos atribuir uma utilidade fundamental representada pelo estudo da história. Refletimos sobre algumas questões que procuram definir essa utilidade, ou fazer apologia a ela.
Independente de existir uma utilidade única ou principal para a prática do estudo do passado, será razoável admitir que a utilidade da História não resida em si mesma, nem talvez no fato de podermos aprender com erros do passado a fim de evitá-los no futuro. A utilidade é produzida pelo próprio contexto construído por quem a produz. Em outras palavras, “fazer história é contar uma história” [10]. A superação da história – narrativa pela história-problema não se define por um objeto de estudo, mas sim por um tipo de discurso.
Se quisermos ser audaciosos em nossa analise, poderemos atentar que há milênios o homem vem se perguntando se pode aprender com o passado a ter uma vida melhor no futuro. O tempo passou, e os erros históricos se repetem e se multiplicam pela humanidade, levando a uma instabilidade talvez inédita dentro deste período.Seria inocência de nossa parte acreditar que o homem não consegue aprender com seus erros. A questão pode ser : ele quer parar de cometer esses erros históricos? Ou ainda: serão esses equívocos considerados erros por quem os pratica, ou cabe àqueles que sofrem com as conseqüências de sua prática apontá-los, a fim de que não se repitam?
O que tentou ser demonstrado aqui foi que a busca pela mitificação do passado, através da glorificação de momentos históricos e criação de heróis esteve presente tanto nos antigos quanto nos modernos. No que convencionamos chamar de contemporaneidade, encontramos vestígios que confirmam essa intenção. Os documentos produzidos pela sociedade atual, sejam visuais, ou de outra natureza devem ser problematizados pelo historiador na medida em que não estão livres das ações históricas sofridas pelo homem, o seu agente de modificação mais determinante.
Se a história tem uma utilidade, alguns setores da sociedade já se apoderaram dela, porém cada qual criando a sua própria utilidade para ela. Cabe aos historiadores talvez o papel de identificar esses usos da história, e e estudar como isso influência na formação da sociedade, dentro do seu tempo respectivo, e comparar com ponderação com algum fato do passado histórico. Mas não pela busca da verdade, como preteriam os modernos, pois o conceito de verdade é deveras delicado para ser tido como dogmático. Mas sim , pelo interesse na produção de conhecimento e proposta de reflexão, tentando entender melhor o homem, pois este na condição humana é imperfeito e está distante do mundo idealizado e glorioso idealizado sempre por um passsado inatingível a ser atingido.











Bibliografia
ARENDT, Hannah – Entre o Passado e o Futuro, 2a. edição, tradução de Mauro W. Barbosa de Almeida, 1979.

BEARD, Charles A. That noble dream, The American historical review. New York, 41 (1) :, 1935

CERTEAU, Michel de. A operação historiográfica in: A escrita da História. Tradução de Maria de Lourdes Meneses, Rio de Janeiro, 1982.

CHARNEY, Leo & SCHWARTZ (orgs), Vanessa R. O cinema e a invenção da vida moderna, Cosac & Naify, São Paulo, 2001.


COULANGES, Fustel de , Préface. In: Questions historiques: revues et complétées d´aprés lens notes de l´auteur par Camille Julian, Paris, Librarie Hachette, 1923.

FERRO, Marc, Cinema e História, Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1992


GRUZINSKI , Serge, La Guerra de Las Imagenes. De Cristóvão Colombo a “Blade Runner”(1492-2019), tradução de Juan José Utrilla, México , Fondo de Cultura Econômica, 1990.

MAQUIAVEL – Comentários sobre a Primeira Década de Tito Lívio, tradução de Sérgio Fernando Guarischi Bath, Brasília, Editora Universidade de Brasília, 1979.

MENESES, Ulpiano Bezerra de. “Fontes visuais, cultura visual, história visual. Balanço provisório”. Revista Brasileira de História, ANPUH, São Paulo, 23, 2003.

NIETZSCHE, Friedrich, ”Da Utilidade e Desvantagem da História para a Vida”. IN Obras Incompletas. Seleção de textos de Gérard Lebrun e tradução e notas de Rubens Rodrigues Torres Filho, São Paulo, Editora Victor Civita, 1974.
[1] Nicolau MAQUIAVEL – Comentários sobre a Primeira Década de Tito Lívio, p.17-18.

[2] Friedrich Nietzche, Da Utilidade e Desvantagem da História para a Vida. p. 66-69.


[4]Karl MARX – O Dezoito Brumário e Cartas a Kugelmann

[5] Benedetto CROCE, História y crônica, p.11-22
[6] Marc FERRO, O filme: uma contra-análise da realidade? In: LE GOFF, J. e NORA, P. (Orgs) “História: novos objetos”, p.203.

[7] FERRO, Marc. Cinema e História, p.15.

[8] Beaussart, F.-J.. “Mass Media et Moyen Âge: à propos du film: ‘Excalibur’”. In: Médiévales, 1, 1982, p. 34.

[9] Idem, p. 35.
[10] François Furet, A oficina da História, p.81