Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 11 de julho de 2006

Tensoes sociais na America Latina

Por Jessé A. Chahad


A partir da leitura do trabalho do professor Gabriel Passeti, ficou claro que o papel dos indígenas no processo de guerra no sul da Argentina foi de organização e de estratégia, pois os caciques tinham seus próprios interesses e se aliaram aos políticos provinciais contrários aos interesses portenhos, o que pode ter impossibilitado a prosperidade da pecuária na região ao sul da província de Buenos Aires.[1]
Essa resistência por parte dos nativos aproximou as culturas indígenas e criolla, e fez com que as relações com os portenhos se intensificassem em violência, levando a pratica de genocídio por parte dos portenhos, visto como um modelo exterminador, porem eficaz na supressão dos indígenas.
Essa participação dos caciques na resistência aos portenhos delegou uma maior presença dos nativos no desenvolvimento da nação, com um papel muito maior do que os indígenas brasileiros, por exemplo. As lutas sangrentas mostrariam aos portenhos que não seria fácil a sua dominação, e mostrava que o conflito entre “civilização e barbárie” passaria a ser travado até as suas ultimas conseqüências.
Dentro deste processo, se desenvolve outro, estudado por Ricardo Falcon, o desenvolvimento das relações de trabalho no mundo urbano, em um estudo da Historia Social na Argentina de meados do séc.XIX até o inicio do XX. Neste trabalho, o autor divide atitudes dos trabalhadores em autodisciplina e rechaço ao trabalho.
O autor afirma que inicialmente a autodisciplina só acontece quando existe uma possibilidade de ascensão social por parte dos trabalhadores, ou ainda algum tipo de beneficio a uma camada especial de trabalhadores, favorecidos por alguma conjuntura particular. Ainda existia por parte de mestres artesões, uma ética de trabalho e amor ao oficio, sendo identificado como instrumento de dignificação social. [2]
O rechaço, ou recusa ao trabalho se inicia em sociedades onde não presenciamos uma possibilidade de progresso ou ascensão social, devido ao alcance de um desenvolvimento hegemônico da produção capitalista, [3]onde as relações sociais estão “cristalizadas e estabilizadas”. O autor ainda afirma que a uma pequena distancia entre patrões e empregados, ou mestres e aprendizes poderia induzir a um pensamento de que o empregado poderia “tornar-se patrão” , e que com o aumento dessa distancia, aumenta também de maneira proporcional as insatisfações e recusas ao modo de produção.
As relações também aconteciam com o intermédio de agremiações e sindicatos, que passaram a ter um maior poder após 1900, e passaram a lutar não só por melhores salários, mas também exigiam a redução da jornada de trabalho e a extinção do trabalho por empreitada. Isso acarretou uma mudança de atitude do Estado em relação aos trabalhadores, pois ao lado dos patrões, desenvolveu uma política de repressão e aglutinação, com um protecionismo muito contestado pela massa trabalhadora.
Logo, os sindicatos passaram a rechaçar toda e qualquer intervenção estatal na legislação, principalmente em sua facção anarquista que também em conflito com os socialistas acabaram por abandonar o partido. Aos socialistas parecia mais aceitável a existência de tribunais mistos, juntando operários e patrões.
No México, a formação do estado nacional teve um aspecto particular, pois havia a presença de um exercito camponês, que oferecia resistência invadindo fazendas e ranchos dos colonos e sofriam pesadas represálias do governo, num processo de “pacificação”. O trabalho de Letícia Reina, que analisou com cuidado os documentos, nos mostra como as rebeliões camponesas tiveram papel fundamental na defesa dos interesses da população em retomar as terras comuns que tinham sido usurpadas, [4]e tinham o apoio da guarda nacional. Em defesa da propriedade privada, os fazendeiros chegaram a pedir ajuda as tropas norte-americanas, em um erro estratégico que custaria mais tarde um importante e imenso território. A Igreja católica era a mais poderosa das Américas e tecia aliança com os conservadores que não tinham propostas para os povos indígenas, enquanto os liberais entendiam que o capitalismo, o progresso e a civilização teriam de transformar as comunidades indígenas comunais em propriedade individuais, seguindo o modelo norte-americano.
A disputa entre conservadores (monarquistas) e liberais (republicanos) era acirrada e tinha bases ideológicas realmente opostas, diferenciando – se do Brasil, onde a alternância do poder era tal e qual a mudança de ideologia e opinião de situação e oposição.
Após a venda de territórios aos Estados Unidos, uma disputa se inicia a partir de um desentendimento sobre a localização das fronteiras, e ocorre a invasão norte-americana e a tomada da metade do território mexicano, que humilhado e derrotado vê a vitória do modelo liberal, visto que os conservadores tombaram na guerra.
Os liberais decretaram a desamortização dos bens de corporações civis e religiosas, e com Benito Juarez nacionalizou os bens da Igreja, esta ficando sem a base do seu poder econômico. Reações por parte dos conservadores causaram uma guerra civil, e a procura de um monarca europeu que viesse trazer a “ordem” ao México, Maximiliano de Habsburgo, porem não obteve sucesso em sua vinda, acabando por ser fuzilado a mando de Benito Juarez.
O México então entra em uma fase de crescimento da concentração de terras e consequentemente o empobrecimento dos camponeses que provavelmente desencadeará o colapso social e a revolução mexicana de 1910.
[1] PASSETI, Gabriel, Indígenas e criollos: Política, guerra e traição nas lutas no sul da Argentina (1852-1885),p.273.

[2] FALCON, Ricardo, Aspectos de la cultura del trabajo urbano.Buenos Aires y Rosário, 1860-1914 in : Mundo urbano y cultura popular-estudios de historia social Argentina, p.344.
[3] FALCON, Ricardo, Aspectos de la cultura del trabajo urbano.Buenos Aires y Rosário, 1860-1914 in : Mundo urbano y cultura popular-estudios de historia social Argentina, p.342.

[4]REINA, Letícia, Las rebeliones campesinas em México, 1819-1906, p.157.

Nenhum comentário: