Pesquisar este blog

terça-feira, 11 de julho de 2006

Formação da identidade : Relatos de viagem

Por Jessé A. Chahad


O trabalho da professora Stella Maris se ocupou em inovar o modelo de estudo dos relatos de viagens, tipo literário narrativo muito comum no século XIX, porem que tinha sua esfera reduzida sempre ao universo masculino, e ainda carregava uma certa predominância de relatos produzidos por europeus em visita aos paises ditos “ exóticos” .Desta feita, serão invertidos os conceitos de formação de imagem do “ outro” , assim como a tradicional dicotomia entre “civilização e barbárie”.Podemos dizer que uma nova abordagem acerca das literaturas de viagem, que deixariam o status de “ fonte fidedigna” e passaria para a História das representações, procurando analisar a forma em que o relato é produzido,o que certamente vai além dos fatos narrados.
Sendo assim será travado um dialogo entre a alteridade, que é a relação com o “outro” relatado, e a identidade formada a partir dos relatos, ou seja, como a visão sobre o “outro” diz algo sobre quem está escrevendo o relato.
Três escritoras pertencentes a elite latino americana do séc. XIX, serão analisadas no trabalho, a brasileira Nizia Floresta, a argentina Euarda Mansilla e a cubana Gertrudis Gómez de Avallaneda , todas em seus relatos sobre viagens feitas à Europa e aos Estados Unidos.Esse fato viria também a romper com a tradicional literatura feita pelos viajantes dos séc. XVI a XVIII
Pode se dizer que apenas em Nizia Floresta teve um enraizamento maior em sua terra de origem, pois sempre relata a natureza brasileira como maravilhosa e exótica no bom sentido, e não no sentido incivilizado ou selvagem. Esse olhar de Nizia procurava valorizar e enaltecer a natureza brasileira frente a visão estética européia.Nas outras autoras, encontramos quando não uma duvida na questão da identidade, quanto uma apropriação do ideal europeu, sendo esse um dilema presente em Avellaneda.
Apesar do recorte sugerido pela autora na seleção das escritoras, essas não encontram muitas semelhanças entre si, além do fato der serem mulheres contemporâneas da mesma época. Essas diferenças e peculiaridades serão tratadas de forma atenciosa ao longo do texto, o que pode inserir o trabalho na área da História da vida privada, ou se preferir, história dos costumes e diferentes culturas. A própria noção do papel da mulher na sociedade não será uniforme, e Stella Maris vai atribuir a cada uma o seu passado e criação, a fim de demonstrar como se deu a formação e desenvolvimento dessas escritoras, e sua relação com o mundo em que viviam. A mulher não será vista como uma categoria homogênea, portanto não existirão pressupostos que indiquem padrões de comportamento a serem seguidos, nem ditos preceitos sexuais biológicos.
Uma das características que possivelmente pode unir as escritoras foi o fato de terem se dedicado em suas obras a retratar o papel das minorias marginalizadas, ou seja, as mulheres, os escravos, os negros ou mulatos. Isso demonstra certa sensibilidade por parte das escritoras em relação ao mundo socialmente desigual, e procuravam expressar seus sentimentos, sendo que as mulheres não tinham tanta liberdade para opinar decisivamente em assuntos do universo considerado masculino, apesar de autora recusar o conceito de gênero feminino e masculino separados em esferas intercambiáveis excludentes,essa marca era presente e o papel da mulher na sociedade acabava por ser secundário.
Para discutir a relação entre o viajante e o “outro”, Stella Maris se valerá do clássico trabalho de Tzvetzn Todorov, A conquista da América. A questão do Outro, que traz a idéia da troca ou cooptação de valores diferentes oriundos das relações entre dominador e dominado, ou ainda podemos entender como um relativismo, pois para o autor não estaria ausente em relações de alteridade um certo julgamento, provavelmente ocasionado pelo sentimento de superioridade.
Stella Maris relata uma anedota de Lucio Mansilla em visita a Paris, teria sido tido como índio, um ato de barbárie dos franceses, que ignoravam toda cultura latino-americana. Essa “inversão de valores”, onde o europeu é visto como “ bárbaros” serve como empirismo para demonstrar a teoria de que a noção de civilização ou barbárie depende apenas do ponto de vista relativizado do que pode ser civilização, e consequentemente do que se pode ter como conceito de barbárie.
A autora ainda afirma ter encontrado no percurso da pesquisa outras escritoras cubanas, uma que viveria na Espanha e escrevia sobre Cuba. Por falta de tempo, não teriam sido incluídas na pesquisa. Essa lacuna apontada pela autora demonstra que esse material se carrega de uma potencialidade, e em futuros estudos deverão receber atenção.
O choque cultural resultante do processo colonial provocou tanto nos relatos europeus quanto nos relatos latino-americanos uma transculturação, que é marcante nos discursos, portanto ao analisar as características desses relatos a autora procura identificar pontos de vista diferentes, oriundos da origem de quem relata, ou de certa forma, do próprio reconhecimento das diferenças inerentes de quem é relatado, e a possível identificação, porem sem ausência de julgamento, pois esse sentimento seria assim representado como diferença muitas vezes hierarquizante.
É muito importante que trabalhos como o da professora Stella Maris venham dar luz à mudança de concepção acerca da visão eurocêntrica sobre a América Latina e todo os conceitos pré-estabelecidos que foram enraizados na produção dos estudos sobre a assunto, e também no imaginário comum. A nova perspectiva serve como defesa ao estatuto do respeito as diferenças, sejam elas de ordem étnica, ou sócias, e serve como reforço a idéia de que o ponto de vista da analise, ou do relato sempre vem carregada de características ditas locais, independente do padrão estabelecido, mesmo que seja um padrão fortemente marcado pela questão de desenvolvimento e progresso, de ordem técnica e econômica e de ordem moral, criadoras de um modelo excludente e preconceituoso que hoje é combatido e condenável.

Nenhum comentário: